Conhecimento: o fruto proibido

O que é conhecimento? Saber algo, querer saber, procurar a origem, entender.

Há várias maneiras de adquirir conhecimento, mas muita inconsciência sobre onde adquiri-lo e a sua importância.



Saber mais sobre alguma coisa do que antes sabíamos é sempre uma vitória.

Um velho sábio disse: “Só sei que nada sei“.

A consciência de que desconhecemos eternamente sobre tudo, é uma espada de dois gumes: pode nos fazer sentir derrotados perante tudo o que existe para conhecer ou nos tornar ávidos para descobrir mais, infinitamente.


O mal-estar de confrontar a vida que se definha a cada dia resulta em acharmos que ignorância é bênção. Mas a consciência de saber que morreremos (nesta vida) e deixaremos uma obra prima em constante restauro, é o combustível dos sábios.

Sabedoria é a avidez em buscar conhecimento e aceitar que a revelação é constante, que não haverá uma meta, um prêmio final a quem chegar primeiro, pois ninguém alguma vez chegou, ou chegará.

A filosofia, que é a arte de pensar e questionar as verdades ditas “absolutas”, chega para confrontar todo o conhecimento, para lhe retribuir sabedoria.

Lendo o Taoísmo chinês, conseguimos perceber o quão profundas as verdades mais simples podem ser.


O que é verdade? Aquilo que ressoa com a nossa alma. Verdades universais interligam verdades individuais.

Mas a mensagem mais crucial que podemos aprender com os orientais, é a de que o conhecimento apenas se adquire, de verdade, através da experiência. E nós, ocidentais, desprezamos a experiência, nós a rotulamos como “necessária”, um meio de sobreviver. Quando, na verdade, ela é sagrada.

O pensamento acelerado e excessivo tornou a experiência de simplesmente ser, sem distrações, num fardo. Fala-se de meditação como uma novidade, porque hoje parece uma inovação a pessoa ficar sentada e quieta por uns meros minutos, quando os orientais sabiam o poder da mente quieta há séculos!

É o pensamento que confunde a verdade sobre tudo.

Sublimo a importância de ler, porque na distração dos nossos próprios pensamentos com os do autor, aprendemos a ver outros lados da questão, e o texto fica a “marinar” no nosso subconsciente. Novos conceitos são apreendidos automaticamente, aprendemos a pensar novamente, com menos ruídos e mais clareza.

Livros são armas poderosas porque confrontam a verdade onipresente, imposta sobre nós pelo sistema que nos rodeia, a religião ditatorial que nos impõe até uma forma de pensar padronizada. Mas não apenas nos livros podemos encontrar clareza novamente. Quando abrimos a nossa mente para aprender com tudo, encontramos um presente constante, chamado sincronicidade.

Sincronicidade é a linguagem do Universo, as respostas não verbalizadas para as perguntas não formuladas. É o mistério em constante revelação, que apenas nós podemos decifrar, se possuirmos sabedoria suficiente para traduzir o intraduzível.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF / xalanx

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.