5min. de leitura

Consumir tantas informações facilita ou atrapalha a vida?

Estamos na era das diferentes oportunidades de informação o que deveria gerar resultados bem melhores do que os que acompanhamos.

As muitas opções deixam cada vez mais as pessoas perdidas, pois há sempre muitas novidades para a gente ser mais feliz, mais rico, mais bem-sucedido, mais bonito(a), mais e mais.


Aquilo que era saudável até ontem não é mais. A tecnologia é encarada como algo ruim, que tira empregos, que afasta as pessoas, que nos torna menos humanos. Tudo isso gera medo, ansiedade, insegurança, trazendo níveis de cortisol, o hormônio do stress, altos, diariamente.

Além disso, com tantas opções demoramos para tomar decisões e, quando tomamos, não achamos que fizemos certo, gerando conflito, angústia. Tudo isso provoca falta de energia mental, física e emocional. Nossa “barrinha de energia” já começa desgastada desde que levantamos.

Formamos um ciclo vicioso: dormimos mal por passar o dia todo tensos, correndo para dar conta de tudo, e passamos o dia rendendo menos por termos dormido mal.

A sobrecarga de informação, ou Síndrome de Fadiga por Informação, acontece quando nos expomos em demasia à mídia, tecnologia e informação.


Parece incrível, mas ao assumirmos a responsabilidade de nossa vida para nós mesmos e acabarmos com o papel de vitimização, damos o primeiro passo para conseguirmos manter o foco no que realmente importa: nós mesmos.

Quando nos atemos a nós e paramos de nos comparar com o vizinho, com o amigo, com quem os pais gostariam que fossemos, com as promessas de saúde perfeita das academias, das empresas que trabalham com estética…já conseguimos diminuir nossa ansiedade e começamos a focar no que importa: fazer o que acreditamos ser melhor para nós.

Precisamos nos ater ao conhecimento confiável, que vem da ciência, da comprovação e, parar de “atirar para tudo que é lado”. Temos um mundo de informação, mas também temos um mundo de informação errada.


Colocar um filtro e escolher o que é confiável e se adapta a nós, de preferência de forma simples e natural, é muito mais seguro. E, quando então escolhemos, precisamos seguir sem colocar dúvidas que só nos fazem mal, que só nos fazem perder energia e deprimir.

Dois passos são básicos: precisamos resgatar nossa essência, preocupando-nos com o que realmente importa para nós e o que queremos, bem como, cultivar valores adequados, que nos mantenham numa convivência saudável conosco, com o outro e com o planeta. Mais importante, se não sabemos isso, não devemos nos sentir culpados, ou nos sentir menos. Apenas precisamos seguir fontes confiáveis e fazer algo porque realmente nos interessa, faz bem e nos trará resultados diferentes.

Quando nos sentimos forçados a fazer algo, o nosso brilho vai embora e nossa energia também.

Aqui mostro em menos de cinco minutos 3 exercícios que são comprovadamente eficazes para manter o foco e energia frente a tudo isso que falamos.

 

 

Outras dicas simples e essenciais para você viver bem, apesar da avalanche de informações (que tende a aumentar):

– Gosto muito de frases, histórias. Aqui vai uma frase, então, de Lin Yutang: a sabedoria da vida consiste em eliminar o que não é essencial. Precisamos ser seletivos, para abrir espaço para nossa verdade, nossa essência, nossa revisão constante de crenças.

– Quando deixamos de tentar fazer tudo ao mesmo tempo e de dizer sim a todos, já começamos a colocar filtros essenciais.

– Comece sempre pelo exemplo, para ser protagonista de sua história. Quer ter um grande relacionamento? Seja excelente companhia! Comece sempre por você.

– Adote a postura de eterno aprendiz e aceite o que já aconteceu, não coloque resistência, pois resistir ao que não podemos mudar é ampliar sofrimento e abrir portas para buscar informações não tão honestas, pois vamos atrás daquilo que queremos escutar.

Nesta era das múltiplas informações, facilite sua vida! Tenha um propósito claro, procurando fazer o que gosta, assumindo sua vida 100%. Fácil? Não, mas com certeza compensador a médio prazo!


Direitos autorais da imagem de capa: Adrianna Calvo from Pexels.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.