Notícias

Covid-19: diretora da OMS diz que mundo está entrando em quarta onda da doença

cp site

O mundo enfrentará uma quarta onda da pandemia do novo coronavírus? Para a diretora-geral adjunta de acesso a medicamentos e produtos farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), a brasileira Mariângela Simão, isso já está acontecendo. Ela abordou a situação da pandemia na abertura no Congresso Brasileiro de Epidemiologia.



“Estamos vendo a ressurgência de casos de covid-19 na Europa. Tivemos nas últimas 24 horas mais de 440 mil novos casos confirmados. E isso que há subnotificação em vários continentes. O mundo está entrando em uma quarta onda, mas as regiões têm tido um comportamento diferente em relação à pandemia”, afirmou Mariângela Simão.

De acordo com a diretora, o vírus continua evoluindo com variantes mais transmissíveis. No entanto, houve uma dissociação entre casos e mortes, pelo fato da vacinação ter reduzido os óbitos decorrentes da covid-19. Ela lembrou que a imunização reduz as hospitalizações, porém, não interrompe a transmissão.

A diretora avaliou que os novos picos na Europa se devem à abertura e flexibilização das medidas de distanciamento no verão (entre junho e setembro), além do uso inconsistente de medidas de prevenção em países e regiões. “O aumento da cobertura vacinal não influencia na higiene pessoal, mas tem associação com diminuição do uso de máscaras e distanciamento social. Além disso, há desinformação, mensagens contraditórias que são responsáveis por matar pessoas”, pontuou a diretora-geral adjunta da OMS.


Para ela, a desigualdade no acesso às vacinas no mundo é um problema grave. “Foram aplicadas mais de 7,5 bilhões de doses. Em países de baixa renda, há menos de 5% das pessoas com pelo menos uma dose. Um dos fatores foi o fato de os produtores terem feito acordos bilaterais com países de alta renda e não estarem privilegiando vacinas para países de baixa renda”, disse.

Outro obstáculo é a concentração das vacinas em poucos países que dominam tecnologias utilizadas para a produção de vacinas, como o emprego do RNA mensageiro, como no caso do imunizante da Pfizer-BioNTech. Simão explica que o futuro da pandemia depende de uma série de fatores. O primeiro é a imunidade populacional, resultante da vacinação e da imunização natural. O segundo é o acesso a medicamentos. O terceiro é como irão se comportar as variantes de preocupação e do quão transmissíveis elas serão.

Mariângela Simão também ressaltou a importância de adotar iniciativas de saúde pública e a aderência da população a essas políticas. “Onde medidas de saúde pública são usadas de forma inconsistente os surtos continuarão a ocorrer em populações suscetíveis”, declarou. A diretora da OMS defendeu que além dessas medidas de prevenção é preciso assegurar a equidade no acesso a vacinas, terapias e testagens. “São vacinas, mas não somente vacinas”, alertou.

Américas e Brasil


A diretora também avaliou como está a situação do vírus nas Américas e, principalmente, no Brasil. Segundo ela, as Américas vêm tendo um comportamento de transmissão comunitária continuada, com ondas repetidas. Quanto ao Brasil, ela avaliou que o programa de vacinação está andando bem. Mas, a partir da situação na Europa, a diretora se mostrou receosa com o futuro da pandemia no Brasil pelas discussões em curso sobre o Carnaval. “Me preocupa quando vejo no Brasil a discussão sobre o Carnaval. É uma condição extremamente propícia para aumento da transmissão comunitária. Precisamos planejar as ações para 2022”, alertou.

Daniel Cady explica por que apagou fotos com Ivete Sangalo de rede social

Artigo Anterior

Felipe Neto cobra Jovem Pan após ex-BBB falar que ele “pode morrer”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.