Reflexão

“Criança não namora, nem de brincadeira”, diz Marcos Mion

Todos nós, em algum momento da infância, já ouvimos perguntas do tipo “e o namoradinho(a) da escola?”, de algum adulto.



Talvez também tenhamos o costume de perguntar isso às crianças. A verdade é que pode parecer muito natural para muitos de nós, mas nem todos compartilham da mesma opinião.

Para o apresentador Marcos Mion, não devemos abordar o tema “namoro” com as crianças, nem de brincadeira. Ele acredita que esse tipo de comentário é realmente prejudicial para os pequenos e apenas atrapalha o aproveitamento da sua infância de maneira certa.

Em sua coluna Pai Nível Hard, na Revista Crescer, Marcos Mion, que tem três crianças, falou sobre o “namoro infantil”, um tema bastante polêmico, visto como natural por algumas pessoas, mas como realmente perigoso por outras.


Em uma parte de seu texto, Mion diz: “As crianças se divertem? Se amam como homem e mulher? Elas têm ciência do que está acontecendo ou estão apenas reagindo a uma situação estranha que os adultos impuseram a elas?”

Ele acredita que as pessoas que incentivam as crianças a namorar não têm noção do prejuízo que estão causando a elas: “Elas agem baseadas em costumes ou por simples diversão. Da mesma forma como é bonitinho ver o filho com o mesmo tênis que o pai, é bonitinho ver o filho com namorada, ‘igual ao papai’. Por incrível que pareça, ainda acontece muito. Triste.”

O apresentador diz ainda acreditar que apenas uma pequena e rápida reflexão já mostraria aos adultos quão errada é essa necessidade de despertar interesses românticos nas crianças, que deveriam ter outras prioridades:


Se esses adultos parassem para analisar e pensar o que é um namoro de verdade, tenho certeza de que não iam querer que suas filhas e filhos pequenos ‘brincassem’ com essa etapa importante tão cedo. Namorar é se entregar para alguém, se dedicar àquela pessoa para iniciar a construção de uma vida a dois. É fazer uma escolha consciente sobre outra pessoa com quem você quer dividir sua existência.

Ele acredita que é preciso mudar o olhar acerca dessa questão para que não despertemos sentimentos inapropriados nas crianças na hora errada:

“Fico desesperado ao ver a inocência da infância e a chance da descoberta por conta própria desaparecerem por conta de traumas, medos, criação ou diversão dos pais. ‘Ah, mas namoro de criança não é isso! É só brincadeira! É inocente! Só diversão!’ Apenas na cabeça de um adulto desinformado. Na realidade, não é brincadeira, é adultização precoce, que rouba da criança uma linda descoberta que deveria acontecer apenas na hora certa”, finalizou.


O que Marcos Mion deixa bem claro é que, para ele, criança tem de ser criança e se ocupar com coisas da sua idade, não com questões tão complexas quanto relacionamentos românticos.

Ele acredita que tudo tem o seu devido tempo e a infância deveria ser dedicada a outras prioridades.

Você concorda com ele?


Comente abaixo sua opinião!

7 dicas para perdoar e dissolver a mágoa

Artigo Anterior

Não espere, não perca tempo!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.