Cuidado com o silêncio que agride!



Cuidado com o silêncio que agride! –  A agressão verbal é fácil ser percebida, mesmo quando camuflada em “brincadeiras” sarcásticas, ou escondida em mensagens indiretas.

Por ser expressiva, normalmente conseguimos identificá-la para nos defendermos e, principalmente, para nos conscientizarmos que não devemos utilizá-la para agredir a nós mesmos e aos outros.

Diferente do barulho da agressão verbal existe outro tipo de agressão pouco divulgada, o silêncio inquietante da agressão silenciosa. Utilizada muitas vezes de forma perversa, com o intuito de manipular pessoas mais próximas.

Ao contrário do TAO – A sabedoria do silêncio interno, onde o ego se mantém tranquilo, existe um silêncio que é apenas externo, onde o ego permanece exaltado, e a falsa indiferença é utilizada para controlar o próximo.

Não devemos confundir o silêncio construtivo e benéfico, como não reagir a uma briga e deixar de responder palavras agressivas, com o desprezo utilizado muitas vezes no tratamento de silêncio.

O tratamento de silêncio é o ato de ignorar e excluir alguém durante um período de tempo, utilizado em alguns relacionamentos entre pais e filhos, parentes, companheiros e amigos mais íntimos. É uma forma passivo-agressiva de manipulação que transmite desprezo, sempre com o intuito de controle.

O tratamento de silêncio pode ser tão destrutivo nos relacionamentos que é considerado um forte exterminador de relações. Manipuladores emocionais o utilizam repetidamente para controlar, castigar, testar limites ou apenas evitar discutir questões desagradáveis que podem deixá-los em desvantagens.

Não devemos confundir “dar um tempo” numa relação com o tratamento de silêncio. Dar um tempo pode ser bastante saudável para que, posteriormente, possam se comunicar sem o domínio das fortes emoções. Nesses casos, permanecer em silêncio é uma prudência saudável e não um abuso emocional.




 Como lidar com o tratamento do silêncio?

 Nada que possa fazer vai mudar um manipulador. Portanto, o máximo que deve ser feito é conseguir identificar a agressão para se defender e sair do jogo manipulativo.  Coloque o foco na sua própria vida e recuperação, desapegue! Se for preciso busque ajuda. Consulte um terapeuta e fale com amigos de confiança.

Não se esqueça de que o tratamento de silêncio é destrutivo, portanto não use esse tipo de tratamento para manter quem gosta por perto. As pessoas não são marionetes para serem controladas. E quando identificar esse abuso contra você, não tente forçar comunicação, apenas se afaste. Vamos dar um basta a todo tipo de agressão!

Um ponto final sincero é mais saudável do que as nebulosas reticências da covardia silenciosa.

___________

Direitos autorais da imagem de capa: tatyanagl / 123RF Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.