3min. de leitura

Cuidado com quem veio de um término recente

Este texto é para você que está iniciando ou pretende iniciar um vínculo amoroso com alguém que veio de uma ruptura amorosa recente.


Muito cuidado porque nem todas as pessoas são honestas o suficiente com os próprios sentimentos, tampouco com os sentimentos alheios.

O mundo está cheio de pessoas que acreditam que viver o luto amoroso é uma fraqueza, ou mesmo uma vergonha. São pessoas que estão preocupadas em mostrar que a “fila andou”.

Você pode cair de paraquedas numa esparrela dessa. O que parece ser uma sorte grande, na realidade, poderá ser um tiro no próprio pé.


Fique atento(a), observe todos os sinais antes de se jogar numa história com alguém que tenha saído de términos recentes.

Lógico, você não tem bola de cristal para saber do passado dessa pessoa, contudo, se você ativar o seu senso crítico, será possível captar estes sinais que servirão de alerta:

1. Ele(a) não tem constância na forma de demonstrar interesse por você. Num momento, ele(a) a trata de forma especial, com muita empolgação; num outro momento, distancia-se e fica indiferente, sem nenhum motivo, desaparece, não responde nem envia mensagens.

2. Fala do ex-relacionamento sempre se colocando na condição de bem resolvido(a): que ele(a) quis a ruptura; que não gostava mais da pessoa há tempos, etc.


Uma pessoa que sabe o que quer se comporta com firmeza, não como uma gangorra. Possivelmente, essa oscilação entre entusiasmo e frieza ocorre por essa razão: quando está desiludida, a pessoa se empolga com a ideia de se envolver com você; mas esfria quando vislumbra alguma possibilidade de reatar com o(a) ex. Ou seja, ele(a) o(a) mantém no modo stand by.

Se eu pudesse aconselhar ambos nesse contexto, eu diria ao recém-separado: pare de iludir essa pessoa, vá viver o seu luto, dê tempo ao tempo. À pessoa que está servindo de curativo, eu diria: você merece alguém inteiro(a), como espera ser feliz com algo que já começa bagunçado assim?

As pessoas dão sinais, basta a gente colocar o coração no modo silencioso e ouvir a razão.

 

Direitos autorais da imagem de capa: Brooklyn/Unsplash.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.