5min. de leitura

Cultive o carinho pelos seus avós no aconchego do seu coração…

Guarde o carinho de seus avós sempre no aconchego do seu coração. Ame hoje. Ligue hoje. Abrace hoje aqueles que deram a possibilidade da sua existência.

Falar de família é falar de arranjos e desarranjos. É falar de amadurecimento. Como diz Ana Vilela: “A vida é trem-bala parceiro e a gente é só passageiro prestes a partir”. Naturalmente os primeiros passageiros a deixar os vagões da vida são nossos avós. Como isso dói, como isso machuca!


Somos heranças. Somos a herança que nossos avós deixaram. Nós, netos, temos uma grande missão no mundo. Tornar o mundo melhor. Mesmo que pareça clichê, há pessoas em que confiaram a todo instante nisso. De que seriamos melhores, de que somos capazes de fazer o que é certo, mesmo em meio às piores situações.

Tem avô que é pai e tem avó que é mãe.  Quando crianças nossa ingenuidade não nos deixa perceber o quanto são finitos. Que a maturidade nos traga sabedoria para perceber o quanto podem ser infinitos em nossos corações. 

Cada família ama e cuida do seu jeito com seu próprio ritmo. Têm avó que deixou de comer para alimentar os filhos. Tem avô que gosta de fazer os gostos dos netos. Mesmo que não tenha muito luxo, nada pode pagar aquela comida caseira da casa dos nossos avós.


São bolos, salgados, almoços e jantas feitos com tanto amor que enchem de esperança os nossos corações. É a alegria de se estar em família. Mas nem só de sentimentos vive o homem, gostamos mesmo é de encher a pança aos domingos com as melhores comidas do mundo. Aquela que é feita por quem a gente ama.

O tempo passa e as lembranças da infância ficam cada vez mais distantes. Começamos, então, a fazer nossos próprios almoços. A ligar menos, a nos abraçar menos. E tudo fica frio.

Os muros são construídos. O foco no nosso próprio ego por vezes nos ofusca e se esquecemos um tanto da nossa base. Começamos a programar outros tipos de fim de semana, não puxamos assunto.  Nos esquecemos da finitude da vida. Se pudesse dar um conselho não seria nada muito diferente do que já escutamos. Seria aqui e agora. Por isso, guarde o carinho de seus avós sempre no aconchego do seu coração. Ame hoje. Ligue hoje. Abrace hoje aqueles que deram a possibilidade da sua existência.

Caso não possa mais fazer isso, apenas cumpra a promessa. Mesmo que não haja contratos, ela sempre estará presente. De que sejamos pessoas melhores horando a todo momento os esforços dos nossos anjos.


O que fica no final é saudade. Saudade de fim de tarde, de pedir sobremesa e poder exagerar no doce. É amor, essência, respeito e admiração. Que felicidade poder ter conhecido pessoas tão maravilhosas.

Honestidade é um valor que se passa de geração em geração e nossos avós nos ensinaram muito bem isto. Quando chorei meu avô chorou comigo. Quando precisei minha vó estava lá. Mesmo que suas pernas não aguentassem mais, mesmo que a doença tivesse chegado.

Eles sempre estarão no seu interior relembrando o valor do convívio em família. Se seus avós não lhes deram carinho, não os odeie. Talvez eles não aprenderam em suas vidas o que era carinho. Talvez suas vidas foram tão duras que eles apenas buscaram sobreviver.

Apenas agradeça. Nossas vidas apenas aconteceram porque eles estiveram ali. Esse é o grande mistério. Serei eternamente grata.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: kolinkotanya / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.