Notícias

Cúpula da milícia de Rio das Pedras é presa, diz polícia

Cupula da milicia de Rio das Pedras e presa diz policia

Seis homens suspeitos de integrar a cúpula da milícia de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio, foram presos na noite desta quinta-feira (24), informou a polícia.

Equipe da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) localizou o grupo em um condomínio no Itanhangá.

Segundo a polícia, foram presos os suspeitos com os apelidos de “Mágico”, “Pezão” e “Buiú” e mais homens apontados como seguranças do trio.

De acordo com a especializada, Mágico seria um dos líderes locais, junto com Pezão. Apesar da proximidade com o miliciano Tandera, o grupo paramilitar da comunidade tem autonomia para agir sozinha sendo uma das mais antigas da capital.

As investigações são realizadas há pelo menos dois meses por meio de um trabalho de mapeamento e monitoramento da organização criminosa que atua na comunidade de Rio das Pedras. A ação é coordenada pelo delegado titular da especializada, Thiago Neves e faz parte do programa Cidade Integrada.

Durante período de investigação, segundo a Civil, diversas ações de inteligência foram realizadas, inclusive, dentro da própria comunidade, para que a Polícia Civil atingisse todas as lideranças da milícia no local. Os seis presos foram autuados por porte ilegal de arma e constituição de milícia.

O Governador Cláudio Castro utilizou sua conta no Twitter para comemorar a prisão dos seis criminosos e parabenizou a Polícia Civil pelo trabalho de investigação conduzido pela Draco.

Além dos seis suspeitos foram apreendidas três armas de fogo, diversas munições, três motocicletas, uma caminhonete blindada, cadernos com anotações de contabilidade do grupo criminoso e um rádio transmissor. Os suspeitos que estavam armados tentaram fugir, mas foram capturados pelos policiais da Draco.

A especializada destacou que tanto a Zona Oeste, quanto a Baixada Fluminense, estão sendo monitoradas diariamente, por agentes da unidade, com o objetivo de enfraquecer e liquidar as milícias locais.

0 %