Comportamento

Dakota Johnson revela que não quer ser mãe: “Essa ideia é tão humana e fácil de entender” 

capafacebook dakota Johnson revela que nao quer ser mae Essa ideia e tao humana e facil de entender
Comente!

A atriz se juntou ao time das mulheres que não se enxergam vivendo a maternidade. Confira!

Há muito o que ser falado sobre a maternidade. Por ser uma área muito ampla e importante da vida das mulheres, essencial para a construção de nossa sociedade, a maternidade está sempre sendo discutida sob diferentes pontos de vista, restando a cada um decidir se vale a pena ou não ter um filho no mundo atual.

Diversos fatores são levados em consideração pelas mulheres ao escolher se querem ou não ter filhos. Entre eles, podemos citar: genética, futuro do planeta, sucesso do relacionamento romântico e, especialmente, o desejo de ser mães.

Esse último fator é um dos mais importantes e determinantes para o seu futuro, embora muitas mulheres neguem os desejos do seu coração em uma luta para atender ao desejo de outras pessoas.

Nos últimos tempos, tem crescido o número de mulheres que não se enxergam exercendo a difícil missão de ser mãe, e estão se posicionando sobre esse tema tão polêmico sem temer julgamento ou reprovação da sociedade.

Elas priorizam o autorrelacionamento e não têm medo de falar sobre suas preferências, servindo de exemplo para aquelas ao seu redor.

Recentemente, a atriz Dakota Johnson também resolveu se abrir sobre os seus “sentimentos complicados” em relação à maternidade. A declaração surgiu enquanto ela falava sobre o lançamento do novo filme “The lost daughter”, baseado no livro homônimo de Elena Ferrante. O drama psicológico, no qual Johnson atua ao lado de Olivia Coleman, conta a história de uma mãe de meia-idade e as mudanças que experimentou em sua vida depois que as filhas se mudaram, ao mesmo tempo em que é cativada pelo relacionamento de outra mãe com a própria filha.

Pontuando ao The Times a abordagem do filme sobre o conceito de se tornar um pai ou mãe, a atriz disse que o longa naturaliza a confusão de sentimentos que acontece com a maternidade.

A protagonista de “Cinquenta tons de cinza” também falou sobre a própria relação com a maternidade. Aos 32 anos, Johnson revelou que atualmente está indecisa sobre ter filhos, e acrescentou que para alguém como ela, que ainda não é mãe e não sabe se deseja ser, o filme faz com que se sinta bem, apesar das complicações.

Ainda falando sobre o filme, a atriz disse que o longa destaca as conversas que muitas vezes não temos sobre a maternidade, especialmente as dificuldades que muitas mães apresentam para se adaptar a essa nova responsabilidade.

Questionando-se se seria uma boa mãe, Johnson opinou que existe um estigma a respeito dessa conversa e de pensamentos como: “E se eu saísse por aquela porta, por uma semana ou um minuto para fumar”. A atriz disse que essa é uma conversa muito humana e identificável, mas que por alguma razão não pode ser falada em voz alta.

O longa, que estrelará na plataforma de streaming Netflix, com certeza dará voz a muitas mulheres que todos os dias se sentem sobrecarregadas com a obrigação de se tornar mães para serem aceitas e vistas como bem-sucedidas.

A diretora do filme Maggie Gyllenhaal, que se enquadra no público-alvo da produção, também se manifestou sobre o tema. Ela disse que nunca viu os seus conceitos sobre maternidade representados, por isso resolveu fazer o próprio filme, que é uma expressão sobre o que é maternidade.

Ela finalizou dizendo que sua identidade como mãe é uma importante parte de quem ela é e pode representar a realidade de outras mulheres.

Comente!

Lindo! Fernanda Montenegro se emociona com Alice em comercial

Artigo Anterior

Professor se inscreveu no OnlyFans de sua ex-aluna do ensino médio: “Me disse que eu era especial”

Próximo artigo