Notícias

Daniel Silveira vai receber medalha da Biblioteca Nacional dada para quem contribui com a literatura

Foto: Instagram
Design sem nome 10

O deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) vai receber da Biblioteca Nacional a medalha da Ordem do Mérito do Livro, tradicionalmente dada pela instituição a pessoas que contribuem com a literatura. A informação foi dada inicialmente pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, e confirmada por fontes da Biblioteca Nacional.

Incompatibilidade: Imortais da ABL recusam medalha da Biblioteca Nacional dada também a Daniel Silveira

A cerimônia de entrega da homenagem acontecerá em duas sessões, às 10h30 e às 15h30. Em seu site oficial, a Biblioteca Nacional informou que o prédio da instituição ficará fechado nesta sexta-feira “por motivos de força maior”.

Acadêmicos, escritores e intelectuais como o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade e o sociólogo e escritor pernambucano Gilberto Freyre já receberam a medalha da Ordem do Mérito do Livro. Neste ano, a medalha será entregue, ao todo, para 200 personalidades por conta do Bicentenário da Independência.

A lista dos contemplados, no entanto, não foi divulgada pela BN.

O jornal tentou falar com o presidente da Biblioteca Nacional, Luiz Carlos Ramiro Junior, e com Daniel Silveira, mas até o momento não obteve sucesso. Antes de chegar à presidência, Ramiro já exercia o cargo de coordenador-geral do Centro de Pesquisa e Editoração da BN, para onde foi levado por Rafael Nogueira, seu antecessor.

Ele é graduado em Ciências Sociais (UFRJ) e Direito (UFF) e mestre e doutor em Ciência Política pela UERJ.

Daniel Silveira é ex-policial militar e foi eleito para o cargo de deputado federal pelo Rio de Janeiro em 2018. Antes das eleições, ele ganhou projeção ao viralizar nas redes sociais num vídeo em que, na companhia do deputado estadual Rodrigo Amorim, quebrava uma placa que homenageava Marielle Franco, vereadora assassinada em março de 2018.

Em abril deste ano, Silveira foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal a 8 anos e 9 meses de prisão por agressões verbais a ministros da Corte e por tentar impedir o livre exercício dos Poderes.

No dia seguinte, o presidente da república, Jair Bolsonaro, publicou um indulto presidencial perdoando a pena do parlamentar.