Dar sem esperar receber nada em troca é a única e verdadeira definição de generosidade

Generosidade: fazer pelo próximo, simplesmente, pelo bem que isso causa. 

Vejo muitos se deslumbrando com dinheiro, status, títulos acadêmicos, com número de seguidores ou curtidas, mas se esquecem de valorizar o que é primordial ao homem: a gentileza, a humildade, a integridade e a generosidade.

De nada adianta ser rico, se o espírito for pobre. Dinheiro compra quase tudo. E entre este quase e o tudo existe um espaço onde mora a verdadeira felicidade, o amor, e o respeito.

Um homem generoso sempre prospera. Porque aquele que mata a sede dos outros, sempre terá alguém para matar a sua própria sede.

Um coração que distribui amor, sem moderação, bate mais forte e vive mais feliz. Um ato de gentileza pode tocar em feridas que apenas a compaixão pode curar.

E o mais importante é nunca se arrepender de ser ou ter sido uma pessoa boa. Independentemente de como os outros retribuirão. Porque o seu comportamento diz tudo sobre você. E o comportamento dos outros, bom, não cabe a nós julgar.

A gentileza e generosidade são gratuitas e não devem nunca ser jogadas na cara de quem as recebeu, porque a vida é um eco.

Recebemos o que damos. Os sentimentos que enviamos aos outros retornam em dobro para nós e vice-versa.

Se existe uma maneira de retribuirmos o bem que a vida (ou alguém) nos faz, é através da gratidão e da propagação de mais coisas boas.

Quando concentramos nosso foco no bem, o bem fica ainda melhor. Uma vela nada perde ao acender outra vela, muito pelo contrário, ela coopera para que a escuridão seja cada vez mais tomada pela luz.

Quanto mais levantamos os outros, mais alto subimos.

Para resumir, não se trata do quanto damos ou fazemos pelos outros, mas, sim, do amor que colocamos em cada ato de gentileza e generosidade que nasce no coração e se transforma em realidade.


Direitos autorais da imagem de capa: Petra Fischer



Deixe seu comentário