AutoconhecimentoO SegredoReflexão

De onde vem a voz que te critíca?

de onde vem a voz que te

O que aconteceria se amasses essa voz e a tratasses como uma criança chateada e cansada? O que aconteceria se tivesses compaixão por essa voz, que parece que é tua inimiga, mas no fundo é só uma criança assustada? E se o que ouves existisse apenas para chamar a tua atenção para que a ouças em vez de ir buscar a aprovação aos outros? Ela não está aí para te criticar, está aí para ser ouvida.



Ao invés de lhe dares assim tanto poder e importância, senta-te só a ouvi-la, sem te mexeres e abre o teu coração para essa voz, mesmo que no início só consigas dizer: «está bem, eu ouço-te», «eu compreendo que é assim que te sentes», «eu entendo o que estás a dizer».

O medo, a raiva, o julgamento e a crítica vêm todos da mesma fonte, de uma parte de ti que não quer render-se à simplicidade de não querer controlar as coisas, de não querer tudo do jeito dela e de não querer perder a razão.

Ela está irritada porque passou muito tempo a sacrificar-se pelos outros atrás da sua aprovação e amor e isso trouxe-lhe insatisfação e frustração. Ela não está aí verdadeiramente para te fazer mal, pois ela só quer a tua atenção e que a ouças.


Se gostares dela, ela já não vai criticar tanto e de repente parece que tens um melhor amigo que te faz rir e te ensina a rir de ti mesmo.

Essa voz só está chateada porque pensa que está separada de todos incluindo de ti mesmo.

 

___


Clarisse Cunhaperfil

Curiosa, questionadora e irrequieta levanta-se todos os dias a pensar no que vai partilhar.

Comunicar com os outros tornou-se na porta de acesso à sua essência. Além de colaborar com O Segredo podes deixar-te inspirar pelas suas palavras no seu site (clarissecunha.com) e instagram (@cunhaclarisse).

 


Coração de um guerreiro: 15 citações atemporais do samurai

Artigo Anterior

Deixa eu te esclarecer algumas coisas, meu amigo…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.