Particularidades físicas, nome diferente, sensação de inferioridade, entre outras muitas causas, podem fazer com que as pessoas desenvolvam complexos ao longo do tempo. Mas isso não é uma regra, já que a origem dos complexos não é bem definida. Afinal, tratam-se de emoções inconscientes que foram reprimidas em algum momento de nossas vidas.



Assim, algo pode se tornar um complexo para um e não para o outro. Mas geralmente o complexo surge a partir de um julgamento. E esse juiz implacável pode ser alguém próximo ou nós mesmos. Mesmo um complexo criado devido a alguma particularidade física é definido pela emoção que criamos a respeito desta característica.

COBRANÇAS E EXCESSO DE COMPARAÇÃO PODEM DESENCADEAR COMPLEXOS

5430_LPodemos pensar que a maioria dos complexos aparece em algum momento da infância. Afinal, as crianças estão formando sua personalidade e são muito influenciadas pelo meio em que vivem. Uma criança que tenha alguma particularidade física ou um nome estranho geralmente sofre com apelidos dados pelos coleguinhas ou pela própria família, o que pode gerar um complexo no futuro. Isso ocorre pois alguns padrões são impostos pela sociedade e quando alguém não se encontra dentro de um modelo esperado pode sofrer preconceito e, com isso, criar um complexo.


Penso que é dever dos pais tentar desenvolver a autoestima dos filhos. Excesso de comparação, cobranças e exigências irreais acabam prejudicando as crianças, que podem criar crenças destrutivas que irão prejudicá-los ao longo da vida. Um complexo de inferioridade pode surgir do sentimento de nunca ser bom o suficiente.

Um complexo de inferioridade pode surgir do sentimento de nunca ser bom o suficiente.

Ou seja, aquela criança que só recebe críticas e nunca é elogiada por alguma atitude pode desenvolver tal crença. Por outro lado, quem é criado sem limites pode criar um complexo de superioridade no futuro.

Contudo, em qualquer momento da vida podemos desenvolver complexos. E nem sempre depende do olhar ou da voz do outro. Às vezes é a maneira equivocada que criamos de reagir às situações do cotidiano. A pessoa pode supervalorizar a opinião do outro em detrimento da sua. Ou, ainda, se cobrar uma perfeição que é impossível de alcançar.


Para eliminar esses complexos é necessário muito trabalho e vontade de mudar. Afinal, quem define os modelos e padrões a serem seguidos somos nós. Aos adultos, podem sempre ensinar suas crianças a lidar com as diferenças, sejam elas quais forem, além de amá-las e educá-las com limites e muito amor. Já aqueles que sofrem por algum complexo, precisam compreender a emoção que está por trás dele, qual sentimento predomina. Em muitos casos a autoestima está inadequada. Então, a tarefa primordial é tentar desenvolvê-la. O amor e a aceitação devem vir de nós mesmos e não do outro. Precisamos descobrir a beleza que existe em cada diferença, pois é ela que nos faz únicos e especiais!

 

Escrito por: Maria Cristina

Sempre buscou o autoconhecimento e tinha uma certeza interna que poderia ajudar as pessoas em suas buscas. Após terminar um primeiro curso de graduação, foi atrás de seu grande sonho: tornar-se psicóloga. Trabalha com Psicologia Familiar Sistêmica e atualmente atende em consultório particular, e continua buscando expandir os horizontes com novos projetos.


Liberte-se dos programas de preocupação

Artigo Anterior

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.