ColunistasReflexãoVida

Deixando o coração para depois…

A saudade não tem apelido, não tem um nome bonito. É saudade mesmo, que rasteja atrás dos nossos passos e senta ao nosso lado no banco vazio. E por isso ela marca tanto.



Porque a saudade conhece mais da gente do que nós mesmos; Ela aparece nos momentos que não esperamos e vai embora na hora que ela quer. Você pode trocar tudo – da rotina até os hábitos, mas nunca vai poder trocar de coração.

E quando ele apertar e gritar a saudade e destampar feridas mal curadas, vai fazer lembrar de tudo que passou. Vai jogar na cara, vai pisar e com certeza vai doer.

E pode até ser que ela passe sem causar muito estrago, mas volta e meia vai voltar só pra rememorar que se pode mudar tudo, menos o que já foi feito. E alguma coisa sempre vai fazer lembrar.


Couple Man And Woman Lay Cuddling On The Bed At Home

Talvez eu tenha que me despir mesmo desse rancor que carrego no coração e que me faz enxergar em todo homem um potencial babaca para quebrar o coração de uma mulher.

Talvez eu tenha que parar de falar tão mal deles e me policiar para enxergar se o defeito, no final das contas, não está em mim. Ou, talvez, as pessoas pudessem ser mais sinceras e dizer exatamente aquilo que sentem. Não apenas ensaiar uns floreios pra levar mais uma pra cama. Talvez eu devesse mudar, mas até que me provem o contrário, tem sido bom ser assim.

Em uma versão mais madura, menos ansiosa, mais otimista e mais leve. Vamos erguendo a cabeça, com fé! Nunca foi dito que não teríamos momentos de dificuldades. Observe as possibilidades a sua volta, não se fixe tanto nos problemas, pois tem coisas que embora queiramos controlar, estas fogem do nosso controle.


DEIXANDO O CORAÇÃO PARA DEPOIS - FOTO DE CAPA E FOTO 02

Então, dê um tempo para que se reorganize. Não entenda isto como uma postura passiva. Faça o que estiver ao seu alcance, faça o que você puder fazer, mas não pretenda ter o controle de tudo, além de impossível, é desgastante. Seja capaz de colocar em primeiro plano as coisas boas da vida e aprenda a não dar importância relevante às coisas menos agradáveis, já que tudo passa, é transitório.

As experiências de vida devem deixar um legado de aprendizagem e construir o patrimônio de valores que deverão nortear a nossa vida de maneira a proporcionar essa construção contínua do nosso ser que não está e que nunca estará pronto.


Crie o seu campo de força!

Artigo Anterior

Faça o que puder, mas não desista!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.