Deixar ir não é a mesma coisa que desistir!

Deixar ir não é abrir mão. Nem desistir. Nem fracassar.

Deixar ir é entender que existem encerramentos tristes em nossas vidas, mas que eles duram pouco tempo, porque são apenas uma parte de um caminho que levam a algum final feliz.

Deixar ir não significa que você desiste fácil ou que não sabe como fazer as coisas na sua vida funcionarem. Não significa que você seja uma pessoa instável e imatura demais para se organizar de forma sábia.

Significa simplesmente que você não pode ter tudo, por mais que tente, porque nem tudo foi feito para ser seu. Você nem sempre será o primeiro em tudo e, na verdade, isso é até bom, porque muitas pessoas ficam tão obcecadas em vencer que se esquecem do que realmente estão buscando.

Nós focamos muito em apenas conseguir tudo o que queremos que nem avaliamos direito se essa é a melhor coisa para nós.

Eu por muito tempo eu me senti mal por deixar ir, achava que isso dizia que eu era fraco (a) ou que não tinha capacidade de manter as coisas/pessoas em minha vida, assim como todo mundo.

No entanto, conforme o tempo passou, eu percebi que não tem sentido ser teimoso ou lutar por pessoas que não têm nenhum interesse além de nos ferir.

Não faz sentido provar que está certo às custas de sua felicidade.

Assim, eu aprendi o quanto é importante deixar ir quando as coisas terminam.

Muitas vezes, as coisas têm um fim muito antes de estarmos prontos, e a ilusão de ainda tê-las é muito pior do que a realidade de deixá-las ir.

Deixar ir não é desistir. É abrir espaço para que coisas melhores cheguem em nosso caminho. É perder algo sabendo que algo muito melhor está para chegar.

É viver um período limitado de dor para que a cura faça o seu trabalho e nos renove.



Deixe seu comentário