Comportamento

“Deixe meu cabelo em paz”: menino negro, de 4 anos, é proibido de usar tranças na escola. Mãe se revolta

2 capa Deixe meu cabelo em paz menino negro de 4 anos e proibido de usar trancas na escola e mae se revolta

A escola afirmou que as tranças de Jett eram uma “violação ao código de vestimenta” da instituição, que proíbe seu uso apenas em meninos.



A existência de regras e códigos de conduta das escolas costuma servir ao propósito de evitar constrangimento e comportamento inadequado dentro das instituições. Porém, muitas normas foram criadas décadas atrás, refletindo um comportamento da época, que não é necessariamente o atual.

Em Chicago, nos Estados Unidos, uma criança de 4 anos foi proibida de frequentar a escola usando tranças. Gus Hawkins IV, apelidado de Jett, violou o código de vestimenta da instituição, que não autoriza meninos a usarem tranças, dreadlocks, torções ou fade.

Jett, aluno da pré-escola da Providence St. Mel, no bairro de West Side de Chicago, pediu à mãe Ida Nelson que trançasse seu cabelo, no início de março. O pequeno ficou muito alegre, como conta Ida ao Today, para mostrar aos amigos e professores o seu novo penteado, que achava incrivelmente legal.


O corpo discente da Providence St. Mel é majoritariamente negro e a escola tem boa reputação na região, já que a maioria dos formandos são aceitos em boas universidades desde 1978.

Ida, que frequentou a mesma instituição na infância e adolescência, sabia das políticas capilares do local, mas não imaginava que a mesma regra de 20 anos atrás fosse aplicada atualmente.

2 2 Deixe meu cabelo em paz menino negro de 4 anos e proibido de usar trancas na escola e mae se revolta

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

A mãe fica revoltada com as “normas” relacionadas ao cabelo dos negros em pleno 2021 e explica que isso a deixa chocada. Além disso, ela acreditou que a escola compreenderia os traumas associados ao policiamento dos cabelos negros e teria a decência de rever atitudes como essa.


Jett ficou desolado, quando a mãe decidiu remover suas tranças e prender o cabelo dele em um rabo de cavalo, o que fez com que a escola novamente ligasse para Ida, já que era outra violação do código de vestimenta. Ela revela que, durante as aulas virtuais, o filho utilizava os mesmos penteados, mas isso não motivou nenhum tipo de ligação ou situação desconfortável.

2 3 Deixe meu cabelo em paz menino negro de 4 anos e proibido de usar trancas na escola e mae se revolta

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

No manual do aluno da escola Providence St. Mel, tranças não são permitidas, junto com outros estilos, como os dreadlocks, twists, box braids ou fades. Outra ressalva é que esses penteados, segundo o diretor Tim Ervin, não são aceitos em alunos do sexo masculino, o que causa ainda mais incômodo.

Quando Ida levou sua reclamação ao diretor da instituição, teve uma desagradável surpresa. Tim disse que meninos usando tranças poderiam ser encarados como um tipo de “distração”, e que é da sua preferência que eles não usem.


Ele ainda falou que a intenção não é atingir o cabelo de crianças negras, mas que a escola possui preferências, e essa é uma de suas políticas.

2 4 Deixe meu cabelo em paz menino negro de 4 anos e proibido de usar trancas na escola e mae se revolta

Direitos autorais: reprodução/NBC Chicago.

Como a mãe percebeu que através da conversa não haveria nenhuma mudança nas regras da escola, decidiu tornar a história pública nas suas redes sociais. Ela sempre soube que muitas pessoas negras se identificariam com aquela narrativa, já que, invariavelmente, também possuem traumas relacionados aos cabelos.

Depois de expor o que aconteceu, Ida recebeu várias mensagens de ex-alunos, que revelaram como a política capilar afetou suas vidas.


Ela recebeu bastante apoio, pois muitos disseram que estavam felizes por saber que alguém estava se fazendo ser ouvida, já que tantos ali se sentiram sem voz durante o período que estavam na escola.

A visibilidade fez com que a instituição se posicionasse, e o diretor disse que eles têm planos de revisar a política, já que todos os anos fazem uma revisão interna das políticas e procedimentos. Este ano, segundo Ervin, a revisão acontecerá em junho, mas a mãe ainda não tem certeza de qual será o desfecho dessa história. Ela acredita que mudar a cultura em torno dessa antiga regra faz com que a comunidade saiba que a escola está realmente ao lado da comunidade negra, auxiliando no processo de criar crianças mentalmente fortes e com altos níveis educacionais.

Enquanto aguarda essa mudança, Ida concentrou seus esforços em trabalhar junto com representantes no Congresso para aprovar a Crown Act, uma lei que proíbe a discriminação dos cabelos com base na raça. Ela já existe em alguns estados e cidades, mas ainda não em Illinois ou Chicago.

Ida ainda faz uma importante reflexão: ela acredita que seguir regras seja algo muito importante, e ensina seus filhos sobre isso. Mas não se pode comprometer sua integridade e individualidade com tais regras, isso não pode estar em jogo. Ela quer que seus filhos aprendam desde cedo como se amar, sem que tentem mudar quem são, na busca de tentar se encaixar em padrões sociais.


O que você acha disso?

Comente abaixo e compartilhe nas suas redes sociais!

Durante 30 anos, homem escavou sozinho um canal para levar água para vila seca

Artigo Anterior

Ensine seu filho a ser bom para os outros. O mundo já está cheio de egoístas!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.