ColunistasReflexão

Deixe que vá o que não cabe mais, deixe que fique o que germina a esperança. Permita que venha o novo!

DEIXE QUE VÁ O QUE NÃO CABE MAIS capa e dentro

O que quero lhe dizer hoje?



Ame, ame com força e dedicação, ame do fundo do seu coração. É amando que a gente faz valer a pena, é doando que a gente diminui a pena. Refaça o mapa do peito, conserta o que não está direito e prometa à lua que vai valorizar a benção de ver as estrelas da janela de sala.

Repita ao sol o quanto é grato pela luz que emana e diga ao universo que acredita no que ele faz. Corra atrás, mas corra muito! Os seus sonhos estão mais perto do que você imagina e, às vezes, é só uma questão de ajustar os ponteiros. Em pleno mar até os grandes marinheiros enfrentam as batalhas das tempestades.

Somos todos marinheiros, parceiros, aventureiros e humanos. Estamos nessa vida por algum motivo muito especial, por isso vale o bom humor, a compaixão e o alto astral. Sorrir mais e maior, sonhar muito e bem grande, sentir o vento levando embora aquilo que não serve mais.


Deixa que vá o que não cabe mais, deixa que fique o que germina a esperança, permita que venha o novo – de novo – e mais quantas vezes quiser. Esperança que acalma a maré, caminhada de encontro com a fé, de bem com o mundo da cabeça aos pés.

Esqueça o que já foi, tire disso a lição necessária e espalhe-a no mundo. Não há preço que pague a satisfação de aprender com o erro, evitando o desprezo de quem acha que sabe tudo. Assuma que muito pouco sabe e que a experiência é o que vale. Aprenda que nem todo limão vira suco, que tijolo por tijolo fortifica o muro e que passarinho esperto não é o que aprendeu voar, mas aquele que sabe planar.

Quando ele, – o passarinho – voa pelos ares e desvia das árvores feito rajada precisa de vento, não observa que as flores mudam de cor, que o tempo passou e que o céu até conversa. É quando paira no ar que sente o cheiro do campo, que escolhe a melhor companhia do bando e refaz o plano de voo ao avistar um temporal.

Se observar o pequenino “voador” quando decide planar descansado, vai entender que de nada adianta viver estressado esperando a felicidade chegar. Levanta do sofá e vá buscar. É lá na altura do sonho que encontrará. Não seja como os pessimistas – que no primeiro obstáculo desiste de sonhar e reclama que dá trabalho esperar.


E cansa mesmo, e esgota mesmo e é tudo isso ao mesmo! Mas é assim para todo mundo, meu caro. Ninguém nasce com o coringa do baralho. É tudo uma questão de agir, de fazer suar, de aceitar o risco da maratona da vida e buscar o melhor lugar.

Se a noite especial está chegando, – e ela logo vem – aproveita a chance de fazer diferente. Assine e espalhe essa corrente: ame sem precedentes, ame pela porta da frente e independente do caminho que escolher: sempre ame contente.

Assuma o compromisso de uma nova vida e faça do presente o seu cenário. É desse jeito que o passado perde lugar no hoje e ganha só uma casinha na memória. Chega dessa história de “não vou conseguir fazer isso” e adote outro discurso, do tipo “posso fazer o que eu quiser”.

Que essa noite seja o início de uma nova perspectiva de horizonte, mas mais ainda de uma nova forma de enxergar o que há por trás do monte. Antes tarde do nunca, antes agora do que só depois de amanhã. A porta está aberta e alguns passos nos deixam na estação daquele trem.


Embarca comigo, vem!

Feliz Natal e Ano Novo… e uma ceia cheia de sonhos para levarmos nessa viagem!

 


A ditadura da felicidade!

Artigo Anterior

Em meu coração sempre é natal!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.