Notícias

Delegado diz que roubo de pássaro pode ter provocado sumiço dos meninos: “Reação do tráfico”

meninos desaparecidos

Polícia também detalhou o episódio de tortura a um morador apontado como responsável pelo sumiço. Adolescente lhe arrancou uma orelha a dentadas e debochou da operação desta sexta.



Após prender 16 pessoas em uma operação contra o tráfico do Complexo do Castelar, nesta sexta-feira (21), a polícia informou ainda não saber onde estão os três meninos desaparecidos de Belford Roxo, mas apresentou a linha de investigação mais provável: a de que o trio teria sido pego roubando um pássaro.

“Teria uma suposta ação das crianças que gerou essa reação do tráfico — uma subtração de um pássaro de um determinado traficante”, disse Uriel Alcântara, titular da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), em uma coletiva.

A Feira da Areia Branca, para onde Lucas Matheus (8 anos), Alexandre da Silva (10 anos) e Fernando Henrique (11 anos) iam no dia 27 de dezembro, tem barracas de venda de animais.


Direitos autorais: reprodução.

Roberto Cardoso, diretor das Delegacias de Homicídio, considerou a operação desta sexta “exitosa”.

“A Polícia Civil não descansa enquanto não conseguir esclarecer esse fato. Existem elementos que não podem ser divulgados, porque podem prejudicar a investigação”, afirmou Roberto.

Tortura a morador a dentadas


A polícia também falou sobre a manobra do tráfico de acusar um morador para atrapalhar as investigações. O homem apontado como responsável pelo sumiço dos meninos teve uma orelha decepada a dentadas enquanto era torturado.

O feito foi postado nas redes sociais — antes da mutilação. O homem aparece com um cartaz com uma “sentença”.

21op3

Direitos autorais: reprodução.

Esse morador teve de deixar o Castelar com a família — a mulher e quatro filhos — por ordem dos traficantes. Mas nada foi provado contra eles.


O delegado Uriel Alcântara afirmou que esse episódio aconteceu logo depois do desaparecimento das três crianças. Pelo menos quatro que participaram foram presos nesta sexta.

“A gente instaurou um inquérito para que isso fosse apurado. Alguns responsáveis pela tortura foram identificados”, disse Uriel.

Ainda segundo a polícia, um adolescente que participou dessa sessão de tortura debochou da ação desta sexta. O jovem vem sendo monitorado pela polícia, mas não era alvo hoje.

“Minha cara de loka de quem vai pangua em casa. Tá f*dido da civil, vai arruma nada”, escreveu o suspeito, às 9h31, quando a operação já tinha terminado.


21op4

Direitos autorais: reprodução.

Operação sem reação

Segundo os delegados responsáveis, não houve reação do tráfico à chegada dos policiais.

O delegado Felipe Curi, diretor do Departamento-Geral de Polícia Especializada, disse que a Polinter já tinha uma investigação sobre os crimes cometidos na região.


“A ação de hoje foi para que pudéssemos cumprir mandados de prisão da investigação da Polinter, e a DHBF também participou para obtenção de mais elementos de prova na investigação do desaparecimento dos meninos”, explicou Curi.

A quadrilha também é investigada por impor um “tribunal do tráfico” e por praticar roubos na Baixada Fluminense.

“Além desse exemplo da tortura ao morador, o tráfico pega, prende, sentencia e executa na mesma hora. Isso é uma prática reiterada nas comunidades dominadas pela facção criminosa que atua naquela localidade”, disse Felipe Curi.

whatsapp image 2021 05 21 at 09.14.35 1

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.


Durante a operação, policiais encontraram um carro com marcas de sangue no porta-malas. Segundo os agentes, esse veículo é roubado e era utilizado pelos traficantes do Castelar para carregar as vítimas do “tribunal do tráfico”.

Noiva de Whindersson fala sobre a morte do filho: ‘Estou despedaçada’

Artigo Anterior

“A pior pandemia é o egoísmo.” Professor faz importante alerta antes de morrer de covid-19

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.