publicidade

Delicadeza: o fio da civilidade…

A delicadeza estabelece uma plataforma de convivência que separa o mundo, grosso modo, em duas parcelas – a dos brutos e a dos educados.



Os brutos são os grosseiros, os ignorantes, os toscos. Confundem força com rudeza e falta de educação. Atravessam o caminho dos outros – física ou simbolicamente. Invadem lugares sem serem convidados, imiscuem-se na vida alheia. Os brutos são os sem noção.

Os educados são os cultos, os civilizados, os verdadeiros pensadores. Os educados são aqueles que, em qualquer circunstância, conseguem manter a sua inalterável doçura, como se fossem seres que não se misturam aos desagradáveis assuntos terrenos. Os educados são os delicados.

DELICADEZA O FIO DA CIVILIDADE FOTO 01

Ser delicado é quase um anacronismo, uma reminiscência teimosa do passado. É um traço praticamente irreconhecível nos dias que correm. A maior parte das pessoas nem sequer sabe o que significa a delicadeza, e confunde-a com feminilidade. Mas delicadeza é um traço da alma, é um refinamento da educação. Delicadeza é suavidade, cuidado, elegância, apuro, perfeição, cortesia, amabilidade. Delicadeza é também fragilidade – uma característica das finas porcelanas, dos cristais primorosos, das coisas belas e sensíveis.


Ser delicado pode ser tão cortante quanto uma espada. Ser delicado impõe-se naturalmente, sem ruído: não é preciso erguer a voz, barafustar, gesticular, fazer um escândalo. A delicadeza sobrepõe-se a tudo – cria o seu próprio espaço. Subjuga as pessoas. Arrasa os  brutos – de educação e de espírito.DELICADEZA O FIO DA CIVILIDADE FOTO O2

Percebe-se que o mundo tem sido invadido por uma raça de gente bruta, que vai conduzindo a humanidade de volta às cavernas. Numa era que a tecnologia podia elevar o homem, torná-lo melhor, mais culto e educado – porque a informação está disponível a um simples click – surge um caminho de volta à barbárie, mas não uma barbárie de sobrevivência, dominada pela caça e pela luta contra os perigos selvagens da natureza. Trata-se de uma barbárie pior – a da alma. Estamos perante a troca da excelência pela mediocridade, da civilidade pela brutalidade, da educação pela falta de modos.


É preciso recuperar a delicadeza: tornar as relações elegantes, refinar o espírito, redimir a alma. A delicadeza é uma espécie de código com regras subtis que são praticamente imperceptíveis quando se aplicam, mas que se tornam gritantes quando não se cumprem. Para a maioria dos mortais estas regras não significam nada, mas deviam significar: sem elas está-se no domínio das sombras, no reino dos brutos.

DELICADEZA O FIO DA CIVILIDADE FOTO 03

A delicadeza revela um mundo de pequenos silêncios, em que não se fala em excesso para poder escutar o outro; onde se está atento aos gestos e sinais para estabelecer uma linguagem elegante onde não é preciso dizer tudo; onde não se fala mal da vida alheia, nem se expõe as privacidades da vida pessoal; onde se veste com sobriedade sem expor as intimidades do corpo; onde não se atrasa para os compromissos; onde se lê bons livros para enriquecer o espírito e não para mostrar publicamente; onde não se conta vantagens – nem quem se conhece nem o que se faz.

A delicadeza é o infindável mundo da discrição, e é na delicadeza que reside a força – quando uma palavra é mais cortante que um grito e a civilidade vence a barbárie.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.