Notícias

Depois de 6 anos procurando médicos, pintor com deformidade ganha novo nariz

capaapos 6 anos procurando medicos pintor com deformidade ganha novo nariz
Comente!

O homem ganhou uma surpresa de Natal, que mudará a sua vida para sempre. Confira!

Nossos rostos são um dos principais “cartões-postais”, por isso a maioria de nós se preocupa em deixá-los sempre limpos, produzidos e, em muitos casos, dentro dos padrões de beleza, por meio de procedimentos cirúrgicos.

Para Conrado Ramos Estrada, o relacionamento com o próprio rosto sempre foi complicado. Uma matéria no NY Post contou um pouco da sua história, que teve uma incrível reviravolta no fim deste ano.

Por muito tempo, o pintor de 57 anos teve o nariz desfigurado pela rinofima. As pessoas que vivem com essa condição apresentam pele espessa, com espinhas e rugas na ponta do nariz, ocasionadas pelo aumento das glândulas sebáceas (oleosas).

A rinofima, além de alterações bruscas na aparência, pode obstruir a respiração, causando ronco e atrapalhar a alimentação, o que acontecia frequentemente com Ramos. A condição é rara e afeta predominantemente homens, iniciando-se na meia-idade e podendo crescer descontroladamente, se não houver intervenção cirúrgica.

Além das dificuldades impostas pela própria rinofima, ele precisava lidar com os olhares curiosos e de julgamento. O pintor contou que as pessoas viviam encarando-o e as crianças perguntavam às suas mães o que havia acontecido com ele para ter um rosto daquela maneira.

2apos 6 anos procurando medicos pintor com deformidade ganha novo nariz

Direitos autorais: Reprodução / Dr. Thomas Romo III.

Como se pode imaginar, uma realidade como essa pode abalar a autoconfiança, por esse motivo ele inseriu as máscaras faciais como peça obrigatória de seu vestuário, mesmo antes de a pandemia começar.

No entanto, ao mesmo tempo, foi atrás de ajuda médica, para encontrar uma solução para a condição que tanto atrapalhava a sua vida.

Ramos passou seis anos visitando médicos e especialistas em pele, mas não conseguia encontrar um tratamento para melhorar a sua condição. De fato, para casos extremos, como esse, a única maneira de resolver é por cirurgia.

Felizmente, Ramos conheceu um médico que o ajudou a realizar o sonho de voltar a ter uma aparência sem exageros, que lhe permite viver em sociedade sem precisar se esconder em todos os momentos.

Dr. Thomas Romo, diretor de cirurgia plástica reconstrutiva facial do Hospital Lenox Hill, quando conheceu o pintor, percebeu que a sua infecção não deixaria de piorar, e a situação do paciente o motivou a dar o seu melhor para resolver o seu problema da melhor maneira possível.

O médico revelou que não via uma rinofima havia cerca de 20 anos, e que na hora imaginou o quanto a aparência de seu nariz poderia afetar sua autoestima, relacionamentos sociais e até a capacidade de conseguir um trabalho.

Romo, que já realiza um trabalho “pro bono” por meio de sua Little Baby Face Foundation, fazendo cirurgia em crianças carentes com deformidades faciais, resolveu que também operaria Ramos sem cobrar.

Apenas alguns dias do preenchimento dos formulários, o homem entrou na sala de cirurgia de Romo e saiu com o rosto transformado e nova perspectiva. Quatro semanas depois da cirurgia, ele pode voltar ao trabalho e seguir sua rotina normalmente.

3apos 6 anos procurando medicos pintor com deformidade ganha novo nariz

Direitos autorais: Reprodução / Dr. Thomas Romo III.

O cirurgião disse que não foi apenas o rosto de Ramos que mudou, mas também a sua postura. Segundo ele, o homem está com o “peito e o rosto para fora”, pois se tornou muito mais sorridente.

A cirurgia foi muito importante para Ramos, que teve todas as áreas de sua vida transformadas, mas também para o médico, que está empenhado em ajudar a sua comunidade a crescer e se desenvolver.

O homem, agora completamente transformado, revelou que acredita que Romo foi um anjo que Deus enviou para cuidar dele.

Comente!

Ofensivos e intragáveis, estes 4 signos são os mais detestados do zodíaco!

Artigo Anterior

Celso Portiolli esclarece diagnóstico de câncer: “Eu tive, não tenho mais”

Próximo artigo