Família

Depois que a mãe foi diagnosticada com Alzheimer, filho a leva para viajar pelo mundo por mais de um ano!

Sean decidiu levar sua mãe para uma grande aventura um tempo depois que descobriram que ela tinha a doença, assim escapariam do inverno e conheceriam alguns países.



O que você faria se descobrisse que uma das pessoas que mais ama tem uma doença degenerativa e que é questão de meses até que ela se vá? Não existe resposta certa para essa pergunta, justamente porque cada indivíduo, cada família, possui hábitos e gostos diferentes. Pode ser que você saia para dançar todas as noites, pode ser que passe a trabalhar menos ou quem sabe a sorrir mais.

Sean O’Sallaigh decidiu levar sua mãe Mary O’Niel para uma incrível aventura. Ela foi diagnosticada com Alzheimer aos 77 anos, e quando estava com 83, saiu para conhecer o mundo ao lado do filho. Eles fugiram do inverno irlandês, onde moravam, e conheceram o Nepal, a Itália e a África do Sul.

O filho conta que, durante a viagem, a mãe chegou a apresentar substanciais melhoras em seu quadro clínico, algo que surpreendeu a todos. De acordo com o Daily Mail, a senhora voltou a andar e a falar, e tudo começou assim que eles chegaram a lugares inusitados.


Mesmo com o triste diagnóstico, o filho nunca desistiu, ele sabia que queria passar os últimos dias com sua mãe. Sean nunca desejou viajar por tantos países, mas se sentiu incrivelmente vivo quando percorreu esses lugares com a mãe.

Ver um sorriso no rosto, as melhoras médicas e toda a diversão fizeram com que ele aproveitasse cada dia ao seu lado. Eles participaram de um festival de cores no Nepal, subiram montanhas e conheceram o interior da Itália, além de visitar a África do Sul.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@seantosallaigh.

Desde que recebeu o diagnóstico, em 2013, Sean acreditava que a doença apenas piorava com o tempo. Mas assim que chegaram ao Nepal, ele logo percebeu que ela havia recuperado suas capacidades e parecia mais feliz e jovem a cada dia. Assim que entrou em contato com o neurologista, ele lhe explicou que pessoas felizes ficam ainda mais felizes à medida que a doença progride.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@seantosallaigh.

A ideia surgiu quando a família começou a discutir sobre a transferência de Mary para um asilo, o que não agradou a Sean. O jeito que encontrou de mudar a situação foi levá-la para uma viagem ao Nepal, que acabou se estendendo a outros lugares e países.

O filho nem sequer conseguia imaginar a possibilidade de a mãe ser assistida apenas por enfermeiras, ela era uma mulher forte, que havia passado a vida provando quão independente era.

Mary já havia visitado Roma, e quando chegou, reconheceu vários lugares. Tinha seus restaurantes favoritos e igrejas que adorava, além disso, todos com quem conversava sentia vontade de beijar. Ela adorou a viagem à Itália, aproveitou cada minuto.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@seantosallaigh.

Cinco meses depois do início da aventura, eles foram à Cidade do Cabo, na África do Sul, e mesmo que a doença não aparentasse mais incomodá-la, Sean sabia que ela precisava de cuidados. Ele garantiu que ela aproveitasse cada passeio, e também contratou Glória, uma cuidadora, que passou a acompanhá-los. As duas se davam muito bem e tinham adoráveis momentos juntas.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@seantosallaigh.

Mesmo tendo recobrado algumas funções, Alzheimer é uma doença que progride no indivíduo, a conexão das células cerebrais e até as próprias células vão se degenerando e morrendo, segundo o Hospital Israelita Albert Einstein.


Em alguns dias, Mary chamava Sean de pai, e era assim mesmo que ele se sentia, ao mesmo tempo em que ela havia lhe dado tanto, ele também escolheu abrir mão de inúmeras coisas para ficar com ela.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@seantosallaigh.

Enquanto estavam na África do Sul, Mary acabou falecendo com uma infecção no peito. Mesmo tendo aproveitado muito a viagem juntos, Sean lamenta que o resto da família não conseguiu vê-la antes que partisse. Para passar todo o tempo que pudesse com sua mãe em seus anos finais, o filho abandonou seu negócio e desistiu de um relacionamento.


Menino de 7 anos nada por uma hora contra a correnteza, pede ajuda e salva a família!

Artigo Anterior

“Depois de 4 anos de muita luta, estou oficialmente formado.” Rondoniense celebra graduação em Harvard!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.