Depressão é quando a alma adoece

Depressão não é drama, não é para chamar atenção, não é falta de força de vontade e muito menos frescura. Depressão é coisa séria, muito séria!

Aos poucos, tudo foi perdendo a graça. A vida social tornou-se um peso. Sair com as amigas não era divertido, viajar com o namorado já não era mais prazeroso, ir a lugares badalados não lhe fazia bem. Nada que dissessem despertava alegria ou vontade. Ela perdeu o apetite e passava as noites em claro, sem descansar. No trabalho, a situação foi se complicando dia a dia até não conseguir mais dar conta do recado e exercer suas atividades. Pediu afastamento. Dirigir também ficou impossível. O trânsito e a agitação nas ruas lhe causavam pânico. Foram três meses sem conseguir dirigir o carro novo que acabara de conquistar.



Após um ano de muita angústia, aflição, medo e idas aos prontos-socorros na madrugada, veio o diagnóstico: ela estava com depressão.

Naquele ano, em 2001, não se falava em depressão, ela não sabia o que era, não tinha conhecimento da serotonina – um hormônio que o nosso próprio organismo produz, mas quando está em baixa concentração pode causar dificuldade para dormir, ansiedade e até depressão, por isso, a necessidade do medicamento para auxiliar na produção de serotonina. O que ela sabia era que aquela garota meiga e alegre que todos conheciam precisava de ajuda.

Depressão não é drama, não é para chamar atenção, não é falta de força de vontade e muito menos frescura. Depressão é coisa séria, muito séria! Pesquisas mostram que nos últimos anos mais pessoas morreram por suicídio do que por HIV e guerras juntas. Grande parte dos casos, precisa de ajuda médica acompanhada de sessões de psicoterapia.

O apoio da família, do namorado e dos amigos próximos foram fundamentais para a recuperação dela. Aos poucos, o estado depressivo foi melhorando e a vida parecia que tinha voltado ao normal. Mas, a aparente ‘alegria de viver’ conquistada com a medicação era provisória. Depois da primeira crise, vieram mais cinco.


Foi então que ela compreendeu que precisava cuidar do espiritual. Depressão é quando a alma adoece.

A maioria das pessoas cuida do corpo físico e da mente, porém, deixa de cuidar da alma, de respeitar seus limites, suas vontades e de fazer valer o que realmente lhe faz feliz.

E ela – a alma – sabe o que precisamos para a nossa felicidade e, quando não estamos em sintonia, ela deprime.

Ela precisava prestar mais atenção nela e ser mais honesta consigo mesma. O autoconhecimento já estava em curso e ela reconhecia a diferença que as sessões de terapia fizeram e fazem na vida dela até hoje. Foi fazer aula de dança e encontrou nos passos a inspiração para seu bem-estar e alegria. Ela não queria passar o resto da vida com crises de depressão. Ela sabia que não precisava mais delas. Ela não queria negar a vida, pelo contrário, queria viver a vida com muita alegria. Havia tanta coisa ainda para fazer e conquistar e ela sabia disso.


Ela entendeu que precisava fortalecer a sua fé e confiança no plano espiritual. Precisava agradecer mais e pedir menos. Precisava vibrar mais por amor, alegria, harmonia, compaixão, tolerância, e vibrar de uma forma mais consciente e verdadeira. Quando ela abriu consciência para o Divino e passou a seguir o seu coração e a se respeitar, as crises não aconteceram mais.

Já são quatro anos sem nenhuma recaída. Ela sabe que ainda há muitos obstáculos a serem superados, mas sabe também que é apenas o começo de uma linda jornada na busca da iluminação. Por isso, ela faz uma ressalva:

Se o que pensou fez o seu coração expandir, fez você ficar radiante, alegrar-se, entusiasmar-se, então, faça. Tudo que vem do coração é verdadeiro. É a sua alma se manifestando!


Direitos autorais da imagem de capa: wallhere / 35023

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.