Comportamento

Desabrigado por 32 anos, sem-teto recebe ajuda de desconhecido para achar lar e hoje eles são amigos

Uma amizade sincera teve início quando Scott descobriu o que era viver como pessoa desabrigada, precisando dormir nas ruas da cidade.



Morar na rua é uma das piores violações dos direitos humanos, que torna as pessoas vulneráveis a inúmeras ocorrências, pondo sua vida em risco. A fome é outra aliada de quem não tem emprego ou casa, justamente porque lhe falta renda fixa, impossibilitando sua alimentação regular.

Scott Kuczmarksi, de 56 anos, que mora na Califórnia (Estados Unidos), conheceu Robert Pineda, de 59 anos, quando parou apenas para lhe oferecer um lanche rápido. Isso aconteceu há dois anos, e agora eles são bons amigos, morando apenas a uma hora de distância um do outro, segundo reportagem do Good Morning America.

Robert morava nas ruas havia 32 anos, quando eles se conheceram, em maio de 2019, enquanto Scott buscava o caminho para a felicidade verdadeira ajudando o próximo. Ele queria distribuir água para os moradores de rua, e fez isso durante alguns dias, quando conheceu Pineda, e tomaram café da manhã juntos durante as três semanas seguintes.


As conversas foram aproximando cada vez mais os dois, mostrando que as experiências de cada um faziam com que eles se tornassem opostos. Scott precisou ajudar seu filho em Los Angeles, mas eles mantiveram contato, estreitando cada vez mais aquela relação através das redes sociais.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Ele notou alguns sinais de doença mental em Pineda, e queria que o amigo procurasse, em última instância, ajuda médica voluntariamente. Scott não sabia muito bem se eles tinham intimidade suficiente para abordar o assunto, então decidiu passar uma noite com o novo amigo, nas ruas. Pineda relata que ficou em choque quando ouviu aquilo, e os dois passaram a noite num estacionamento comercial, onde ele costumava dormir.

Robert adormeceu rapidamente no concreto, mas Scott não conseguia ficar bem, sentia-se incomodado e invisível com a quantidade de pedestres que nem sequer olhavam para eles. A atitude uniu os dois e eles foram ao Peninsula Healthcare Connection, onde Pineda foi diagnosticado com esquizofrenia. O médico receitou Aristada como parte do tratamento.


Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Scott começou a procurar casas onde o amigo pudesse morar, inclusive perto de onde ele mesmo residia com sua família, mas o preço era alto demais. Foi então que a pandemia começou, marcando uma baixa nos preços do mercado de imóveis, tornando possível que eles morassem perto um do outro.

Depois disso, Pineda, que é carpinteiro, começou a ensinar sobre sua profissão a Scott, e eles passaram o verão de 2020 consertando a casa nova juntos. Pintaram, reconstruíram cômodos, construíram deck e chegaram até a trabalhar um pouco com paisagismo. Além disso, ambos costumam sair juntos para jogar sinuca e golfe, comer algo e viajar.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.


Como nos Estados Unidos a vacinação está extremamente adiantada, a vida e o comércio estão sendo retomados, por isso os dois voltaram a fazer inúmeras coisas fora de casa, juntos. Pineda se tornou mais do que um membro da família para Scott, é um amigo também. Para ele, as pessoas deveriam superar o medo, assim fariam amizades com pessoas sem teto com mais frequência, sem alimentar o preconceito.

“Função de mãe não é ser amiguinha”: médica exclui perfil da filha com 2 milhões de seguidores e polemiza

Artigo Anterior

Mãe organiza primeira e última festa de aniversário de filho com câncer terminal

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.