ColunistasReflexão

Desorganizar é saudável!

Essa semana conheci uma história que merece ser lida por todas as pessoas que encontram-se perdidas. A história do fazedor de chuvas, contada por Carl Gustav Jung e Richard Wilhelm, exemplificando a importância do autoconhecimento.



Houve uma terrível seca na parte da China onde vivia Richard Wilhelm (sinólogo, amigo de Jung e tradutor do I Ching). Depois de as pessoas terem tentado em vão os meios conhecidos para obter a chuva, decidiram mandar buscar um fazedor de chuva.

Isto interessou muito a Wilhelm que se preparou para estar lá quando o fazedor de chuva chegasse.

desorganizar-e-saudavel-foto-de-capa-e-foto-de-dentro


O homem veio numa carroça coberta, um pequeno velho ressequido, que fungava com uma repugnância evidente quando saiu da carroça e que pediu que o deixassem sozinho numa pequena cabana em frente da aldeia; mesmo as suas refeições deviam ser deixadas no exterior, diante da porta. Não se ouviu falar mais dele durante três dias.

Depois disso, não somente choveu, mas nevou intensamente, o que nunca se tinha visto nessa época do ano.

Muito impressionado, Wilhelm procurou o fazedor de chuva na cabana e perguntou-lhe como podia ter feito chuva e mesmo neve. O fazedor respondeu: “Eu não fiz a neve; não sou responsável por isso”. Wilhelm insistiu: havia uma terrível seca até à sua vinda e depois, passados três dias, houve grande quantidade de neve. O fazedor de chuva respondeu: “Oh! Isso eu posso explicar. Veja, eu venho dum lugar onde as pessoas estão em ordem; estão em Tao; então o tempo também está em ordem. Mas chegando aqui, vi que as pessoas não estavam em ordem e também me contaminaram. Por esse motivo fiquei sozinho até estar de novo em Tao, e então, naturalmente, nevou”.

A desordem desperta a olhar para o que precisa ser arrumado, um impulso positivo para nos libertarmos do que não precisamos. Fácil detectar quando estamos desorganizados, parece que a vida estagnou e tudo dá errado, porque o nosso “eu” precisa ser reequilibrado. Aprender a lidar com a bagunça interior é conciliar e reconhecer o positivo e o negativo dentro de você.


Pare, retire-se, fique só e visite os seus opostos. A harmonia interna reflete no ambiente o qual convive, mas o ambiente o qual convive não tem o poder de organizar seu conteúdo interno. Permita-se passar pelo seu inverno para ser beneficiado com o perfume e o colorido de sua primavera.

Criar expectativa: bom ou ruim?

Artigo Anterior

Gosto de gente sem frescura, gente que anima, que quando se move, ilumina!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.