ColunistasReflexão

Desta vida não quero levar muita coisa

Não quero levar muita coisa

Desta vida quero o necessário. Sem bagagem aparente, levo o suficiente.



Separei a bagagem da saudade para quando sentir mais frio poder me aquecer nas boas lembranças.

Separei outra, com os aprendizados do tempo, com as lições que muitas vezes tive que reler refazer e repetir.

Em outra, ficam os pertences da alma, do amor profundo que abracei com o coração, feito laço que não se dissolve, fica o acolhimento das pessoas que realmente souberam estar comigo.


Ficam as coisas que reconstruí as coisas que me mostraram e demonstraram que valia a pena seguir em frente sem me martirizar pelo que não aconteceu.

Na verdade, os planos não são meus. São empréstimos da vida feito pacto com o alto, com a aprovação de Deus.

Ficam as músicas, as letras, os rascunhos e a dedicação de estar mais feliz. Ficam os bons, os que amparam e nada cobram. Ficam os aconchegos os sorrisos e os aprendizados que souberam elevar o espírito.

Fica a porta que se abriu para o etéreo e as conversas mais silenciosas entre os dois planos.


Desta vida quero o necessário. Sem bagagem aparente, levo o suficiente.

Existem flores pra perfumar o ar existem os sinais que a vida emana. Existe uma paz que não se compra, mas, batalha-se por ela. Basta acreditar que ela chegará.

Desta vida só quero quitar um pouco dos meus débitos e sentir que minha missão não foi em vão.

Nas escrituras do tempo, assinei e arquei com as consequências de tudo que escolhi.


Estou navegando por outros mares, respirando outros ares. Estou mais condizente com o que necessito.

Ninguém vence pelo grito, ninguém vence pela força. É preciso buscar o equilíbrio e sentir mais amor em abundância, é preciso recolher as armas e entender o que acalma o coração dando margem aos bons sentimentos, ao diálogo com menos conflito.

As coisas simplesmente acontecem, algumas almas ressecam, outras desbravam o infinito cheio de luz.

Na verdade, eu tenho me aliado ao que sou, ao que passo, ao que quero ao que prefiro esquecer. Quero me aliar às atitudes que possuem mais veracidade do que qualquer palavra dita por dizer.


Desta vida eu não quero carregar as culpas que me jogaram as palavras que me machucaram, os nãos sempre incisivos, as coisas que doeram com força lá no intimo.

Quero vibrar, agradecer e dar continuidade ao meu destino.



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: annanahabed / 123RF Imagens

Conecte-se com a natureza quando tudo parecer confuso…

Artigo Anterior

Dia e noite… sol e lua…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.