5min. de leitura

Diga-me como você exerce sua autoridade e eu lhe direi como seus filhos serão

Quando os pais exercem sua autoridade com sabedoria, ensinam seus filhos sobre limites e responsabilidades.

Educar uma criança nunca foi uma tarefa fácil, mas nos tempos modernos parece estar ainda mais difícil, pois há muitos fatores envolvidos. Não existem manuais perfeitos de criação, porque cada criança é única e vive uma realidade de vida particular. No entanto, existem alguns conceitos fundamentais que ajudam os pais a educarem pessoas conscientes e preparadas para a vida.


Nesse cenário, é fundamental que os pais compreendam seu papel de autoridade. Embora a maneira de empregar a autoridade ao longo dos anos tenha mudado significativamente, ainda é essencial para o relacionamento de pais e filhos.

No passado, existia um autoritarismo maior por parte dos pais, e os filhos se sentiam ameaçados caso não cumprissem suas ordens. A obediência se dava em grande parte por medo. Atualmente, parecemos viver uma situação oposta, a falta de autoridade dos pais. Além de outros problemas, essa realidade cria situações familiares em que os filhos assumem o papel de pais e “mandam” na vida familiar.


A importância da autoridade para a criação de nossos filhos

Quando os pais exercem sua autoridade com sabedoria, ensinam seus filhos sobre limites e responsabilidades. Os limites que impomos a nossos filhos dão estabilidade a eles, e ajudam a definir que tipo de pessoas se tornarão.


Por natureza, as crianças tendem a acreditar que podem fazer tudo o que querem, e por isso é tão importante que sejam ensinadas desde cedo que o mundo não funciona dessa maneira. Precisam saber que devemos nos dedicar por tudo o que queremos na vida, e que precisam sempre obedecer e respeitar os mais velhos que estão no comando, porque eles sabem o que é melhor.

É importante estabelecer um diálogo saudável, fazendo com que as crianças entendam as regras e suas necessidades. São os pais que devem definir as regras dentro da família, porque eles são os adultos.

É claro que o exercício da autoridade gera conflitos, pois as crianças não sabem lidar muito bem com imposições e tendem a fazer apenas aquilo que desejam. Quando são contrariadas, sentem-se frustradas e isso pode levar a conflitos. Nem todos os pais conseguem lidar com esses conflitos e se permitem serem vencidos pelo cansaço. Isso deve ser evitado ao máximo porque acarreta na perda de autoridade, que não é facilmente recuperada.



As consequências da permissividade

Quando não existe um padrão saudável de autoridade dentro da família, todos sofrem as consequências. Alguns resultados são: a criação de pessoas inseguras, desrespeitosas, e despreparadas para a realidade dura da vida.

Por mais que os pais façam com as melhores intenções, o excesso de permissividade traz mais resultados negativos do que positivos a longo prazo. Pode ensinar às crianças um conceito errado de comportamento e liberdade, o que prejudica em sua criação, tornando-as adultos imaturos para lidar com as dificuldades da vida.


A autoridade aliada à proximidade

A autoridade é essencial nos relacionamentos entre pais e filhos, mas não precisa ser trabalhada com frieza e dureza, ou apenas afastará a família. Esse é um trabalho de amor, cuidado e deve ser aplicado dessa maneira.

É muito importante que os pais se dediquem aos seus filhos, que tirem tempo para estabelecer uma conexão verdadeira e profunda com eles. Quando as crianças se sentem amadas e compreendidas, aceitam a autoridade dos pais com mais facilidade, pois os enxergam como guias para a vida.

Todos os pais querem que seus filhos tenham sucesso na vida, e para isso é essencial que recebam orientações sábias desde cedo.

Desenvolva sua autoridade com positividade, aproxime dos seus filhos com amor e ensine o que precisam saber através de exemplos saudáveis. Esse é o melhor caminho para criar filhos felizes.


Direitos autorais da imagem de capa: Ratiu Bia / Unsplash





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.