publicidade

Digo ao universo que me mande apenas coisas boas!

Crescemos acreditando que ao cometer um erro devemos e seremos punidos pelos pais, pela sociedade e pela vida. Somos educados a esperar pela punição e a temer o “errar” por medo do castigo e, não necessariamente, das consequências do erro em si.



Punição e recompensa

Dessa forma, quando fazemos algo considerado errado ou ao evitarmos essa ação o fazemos sempre considerando o açoite final. A preocupação em não errar ou mesmo a preocupação após o erro, dificilmente é o conserto.

Não evitamos errar simplesmente porque temos consciência de que não devemos, mas para evitar a punição que vem depois.

Talvez isso venha de nossa criação. Ao nascermos em lares despreparados para o afeto somos criados com base no sistema de punição e recompensa, ao invés de nos pautarem no de orientação, aceitação, percepção e respeito próprio e externo.


Sem intenção, nossos pais e a sociedade, de maneira ampla, nos ensinam que após um deslize somos dignos de penalidades. Não nos ensinam a corrigir os erros. Afirmam em nossa mente, constantemente, o quão pequenos somos, o quão indignos somos.

Não se pode ser você mesmo

Não temos o direito de assumir nossas preferências amorosas, políticas ou sociais,  nossa percepção de mundo. Não podemos questionar o sistema, não devemos nos opor a lei alguma, ainda que ela viole direitos existenciais de outros seres. Não somos ouvidos e não podemos nos expressar. Se fizermos quaisquer destas coisas, estaremos errados. Como seres errôneos nos tornamos aptos ao martírio através da punição.

A vida não é assim. Não pode ser. Não estou defendendo a impunidade ou a incongruência dos atos. Estou defendendo nosso direito de errar. Porque é através dos meus, dos seus e dos nossos erros que aprendemos, evoluímos, crescemos. Não através do castigo, da recompensa boa ou pejorativa. Crescemos após a constatação do erro e o conserto dele. É assim que aprendemos algo.


Diga ao universo o que você aceita

Diferente disso, dizemos ao universo que aceitamos que tudo em nossas vidas seja ruim como retorno de algo que fizemos no passado. Algumas pessoas vão além, culpando a si mesmas por algo de supostas encarnações das quais nem mais se recordam. Carregam consigo culpas e erros dignos de punições vidas afora. Chamam a isso de carma e não de escola ou escolha.

Quando eu errar, e sei que vou, porque é o que fazemos antes do acerto, não aceitarei mais o açoite da vida ou a culpa imputada por uma sociedade doente. Não vou culpar-me, não me farei de vítima. Não aceitarei a punição do universo. Porque estamos em um planeta escola. Se é escola é para o ensino. Não há aprendizado sem tentativa e erro, tentativa e acerto, erro e conserto. Não deve haver punição. Principalmente porque em sua grande maioria as regras são pautadas em ideais morais que beneficiam e diferenciam indivíduos, não o todo com reais igualdade e justiça.

Sem culpa!

Ao não aceitar isso eu digo ao universo que me mande apenas coisas boas, que me permita corrigir o que eu preciso e me permita viver com plenitude e consciência de cada ação e de seu resultado manifesto. Livro-me da culpa e banho-me de realidade e poder de escolha, poder de ação, liberdade e amadurecimento.

Experimente observar a vida sem culpa, sem receio, sem julgamento, sem crucificação. Não seja a vítima ou o juiz, não seja o transgressor. Seja um ser de luz em estado de matéria humana na escola Terra, aprendendo a resplandecer, agindo e verificando o resultado de cada ação. Interaja com os resultados em busca de algo melhor e não na espera da expiação ou repressão. Você vai se surpreender com as mudanças em sua vida e em quão bem irá se sentir.

Evolução é a palavra aqui. Para você e para uma sociedade doente.

_______

Direitos autorais de imagem de capa: bowie15 / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.