Notícias

Diretor de “Pantera Negra” é preso ao tentar sacar cerca de R$ 60 mil no próprio banco

Diretor do ‘Pantera Negra tem arma apontada e e preso ao tentar sacar 12 mil dolares no banco

Pedindo por discrição durante a transação em um bilhete, o diretor de 35 anos foi confundido com um assaltante e detido por um período de tempo.

No Brasil e no mundo, o racismo é uma questão que abarca diversos marcadores sociais e históricos, ressaltando o abismo de raça que existe. Sendo mais vulneráveis em todas as relações sociais e profissionais, a população negra está mais suscetível à violência, ao feminicídio, ao assédio no trabalho e ao encarceramento em massa.

Os sinais de racismo podem ser graves e notáveis, como o caso George Floyd, nos Estados Unidos, ou mais sutis, como o que aconteceu com Ryan Coogler, diretor do filme Pantera Negra, que foi preso enquanto tentava sacar dinheiro da própria conta, no Bank of America, em Atlanta.

O relatório disponibilizado pela polícia, segundo reportagem da Variety, aponta que ele foi confundido com um ladrão e brevemente detido pela polícia. O diretor informou que aquela situação nunca deveria ter acontecido, mas que a agência trabalhou com ele e abordou o assunto de maneira satisfatória, podendo seguir em frente.

A polícia recebeu uma ligação sobre a suspeita de um homem negro que estava tentando roubar o banco porque entregou um bilhete à caixa na hora do saque. Coogler confirmou que escreveu o bilhete, pedindo que o dinheiro fosse contado em outro lugar por segurança, já que o valor era muito alto.

Coogler tinha entregue não apenas o cartão bancário, como também a identidade, e mesmo com eles em mãos, a funcionária ainda assim achou suspeito, já que ele queria sacar 12 mil dólares, o equivalente a mais de R$ 60 mil. O diretor estava usando chapéu, óculos escuros e máscara facial para proteção contra a Covid-19.

A caixa acabou interpretando a situação de maneira equivocada, como o próprio Bank of America relatou, acreditando que se tratava de uma tentativa de roubo. Como a transação ultrapassava 10 mil dólares, ela acionou uma notificação de alerta da conta bancária de Coogler. A funcionária informou suas suspeitas ao chefe, que ajudou a chamar a polícia.

Quatro policiais chegaram rapidamente à agência e detiveram não apenas o diretor, como também dois colegas de Coogler que esperavam do lado de fora, em um carro com o motor ligado. Os três foram algemados e colocados na traseira de um veículo policial, aguardando até que os oficiais checassem as informações.

A gerente do banco não conseguiu explicar como tudo aconteceu, mas afirmou que a caixa era inexperiente e estava grávida, por isso, emocionalmente abalada. Ela ainda pediu desculpas ao diretor, dizendo que estava sendo sincera em seu pedido, principalmente por ele ser um jovem negro, fazendo referência aos impactos do racismo.

Os vídeos acabaram saindo nas redes sociais do momento em que o diretor foi detido na agência, fazendo reacender o debate sobre o racismo velado e em como a sociedade mina as relações negras, sempre fazendo com que se sintam errados em qualquer espaço. Todos reconheceram que o incidente nunca deveria ter acontecido, principalmente por envolver uma pessoa que está em destaque na mídia, mas servindo de lição para qualquer um.

O caso aconteceu no início de janeiro, e só agora veio à tona, com a liberação das imagens. Assim que saiu na mídia, Coogler se manifestou, dizendo que nunca deveria ter acontecido algo semelhante, mas que se sentiu satisfeito com a forma como o banco resolveu a situação. Na época, ele estava filmando a continuação da saga Pantera Negra: Wakanda Forever, e a produção tem estreia marcada para novembro deste ano.

Nas redes sociais, os usuários se inflaram de raiva pelo ocorrido, principalmente porque os agentes bancários não fizeram questão de checar as informações, apenas chamaram a polícia para que ele fosse detido o quanto antes, principalmente porque ele escreveu um bilhete pedindo discrição. Confira abaixo o vídeo:

0 %