Comportamento

Discussão para ver quem lava a louça termina com violência e presença da PM

Capa Facebook Discussao para ver quem lava a louca termina com violencia e presenca da PM

Houve um crescimento significativo nos casos de violência doméstica enfrentadas por mulheres brasileiras, de acordo com pesquisa.

A Polícia Militar (PM) precisou ser acionada após discussão entre um casal em Marumbi, na região norte do Paraná, isso porque houve um desentendimento entre os conjugues após a mulher pedir para seu marido lavar as louças do jantar, o fato aconteceu na noite da última quarta-feira (12).

Segundo o site de notícias Ric Mais, em depoimento a vítima conta que depois que o marido se recusou a fazer as obrigações domésticas, ele passou a quebrar os pratos e ainda partiu para agredi-la com socos na costela e tapas no rosto. Após as vias de fato o suspeito fugiu do local e a mulher acionou a Polícia Militar, que realizou patrulhas pela região, mas não conseguiu localizar o paradeiro do agressor.

A vítima não aceitou atendimento médico e contou que iria procurar Delegacia da Polícia Civil nos próximos dias, até lá, ela passaria as noites na casa de seus pais.

O fato acontecido no município de Marumbi é apenas um fragmento da realidade enfrentada por milhares de outras mulheres brasileiras no convívio doméstico. Segundo os dados apurados pela 15º Anuário Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), publicado em 2021, foi registrado um aumento de quase 1% nos índices de violência contra a mulher de 2019 para 2020.

Com a chegada da Covid-19 no Brasil, no começo de do ano de 2020, foram impostas medidas protetivas pra tentar controlar o avanço de uma pandemia que deixou mais de 5 milhões de vítimas fatais ao redor do mundo, segundo informações do Google News, que atualiza em tempo real os dados sobre essa patologia, dentre essas medidas estão a de isolamento social e com isso as pessoas passaram a conviver por mais tempo na rotina domiciliar diária. Consequentemente, em alguns casos, ouve também o crescimento dos atritos gerados pela rotina de isolamento social.

Além da crise sanitária acarretada pela Covid – 19, diversas outros empasses foram gerados com chegada e continuidade dessa doença. Já nos primeiros meses de isolamento social, notórias organizações internacionais, como a ONU Mulheres, relataram com base no aumento de pedidos de ajuda em linhas telefônicas de canais de atendimento, que houve um significativo incremento de casos de violência doméstica em todo o mundo e que as mulheres eram as principais vítimas desses dados alarmantes.

Em virtude dessa conjuntura, o FBSP, se debruçou a monitorar e avaliar os casos de violência doméstica ocorridos no Brasil nos últimos dois anos. No Anuário, foi identificado que no primeiro semestre de 2020 houve uma redução de pouco menos que 11% nos registros de lesão corporal dolosa, 16,8% nos de casos de ameaça, 23,5% nos estupros de mulheres e 22,7% nos estupros de vulneráveis. No mesmo período, em comparação com o primeiro semestre de 2019, foi registrado um aumento de 0,8% nos casos de homicídio dolosos de mulheres e 1,2% nos casos registrados como feminicídios.

Além disso, o Instituto DataSenado em parceria com o Observatório da Mulher Contra a Violência, realizou um estudo que media a percepção das mulheres brasileiras sobre o aumento da violência contra as pessoas do sexo feminino durante o último ano. A pesquisa de opinião concluiu que a maioria das mulheres brasileiras, cerca de 86%, percebe um aumento na violência doméstica. Essa pesquisa é realizada a cada dois anos, desde 2005, a edição do ano passado revela um crescimento de 4% na percepção das mulheres sobre a violência, em comparação à edição anterior. Foram cerca de 3 mil pessoas ouvidas entre 14 de outubro e 5 de novembro.

Ao portal de notícias do Senado Federal, na data da publicação da pesquisa supracitada, a atriz, empresária e modelo Luiz Brunet se fez presente na data do lançamento desses dados alarmantes, ela é ativista no combate de violência contra a mulher depois de ter sofrido agressão de seu ex-marido, também alertou sobre o crescimento desses casos durante a pandemia.


Se você presenciar um episódio de violência contra a mulher ou for vítima de um deles, denuncie o quanto antes através do número 180, que está disponível todos os dias, em qualquer horário, seja através de ligação ou dos aplicativos WhatsApp e Telegram.

0 %