publicidade

Discutir a relação não é coisa de mulher, é coisa de casal!

Fugir ao enfrentamento das verdades que precisam ser estabelecidas e dos incômodos que necessitam de ajustes implica desvalorizar o poder conciliador do amor sincero.



O senso comum costuma atribuir às mulheres uma maior necessidade de atenção, por conta de sua tendência a serem mais sensíveis e românticas, entre outros. É como se os homens fossem naturalmente mais fortes e emocionalmente mais frios. Na verdade, isso tudo é decorrente de aspectos culturais, que atribuem esta ou aquela característica a gêneros, com base se sabe lá onde, e, assim, tais atitudes são cobradas socialmente.

Por conta desses rótulos limitantes, muitas vezes se disseminam ideias que atribuem determinadas características e comportamentos aos homens e às mulheres separadamente, delimitando o campo de ação de cada um e, consequentemente, limitando-lhes a possibilidade de viver com mais intensidade. Isso porque, se já nos dão uma lista do que é permitido, muitas coisas que queríamos provavelmente ficarão de fora desse rol estanque.

Nesse contexto, é comum haver homens fugindo à famosa D.R., não se vendo na obrigação de parar para conversar sobre o relacionamento com as parceiras, simplesmente porque “esse blá blá blá é coisa de mulher”. Na verdade, tudo o que envolve conversa demorada sobre sentimentos parece provocar repulsa nos parceiros, uma vez que, segundo se diz, homens são mais racionais, objetivos, práticos, sem tempo para nem paciência analisarem a forma como as pessoas sentem as coisas dentro de si.

Discutir a relação com ponderação e sem elevação de ânimos sempre será saudável e importante ao amadurecimento dos sentimentos…

Na verdade, o amor não fecha portas, mas sim as abre. O amor não carrega pendências, ele as alivia. O amor não diminui, posto que amplia horizontes, alarga os sentimentos, consola, compadece, resolve o que atrapalha, supera, amansa e acalma o que desanda. Fugir ao enfrentamento das verdades que precisam ser estabelecidas e dos incômodos que necessitam de ajustes implica desvalorizar o poder conciliador do amor sincero.


Discutir a relação com ponderação e sem elevação de ânimos sempre será saudável e importante ao amadurecimento dos sentimentos, para que a dinâmica dos relacionamentos se fortaleça e não caia na mesmice que o cotidiano teima em imprimir à vida a dois. Não se trata de coisa de mulher e sim de uma prática que deve ser exercitada, para que possamos nos demorar em tudo aquilo que o outro possui e nos encanta, e nos chama, e nos transforma em pessoas melhores, exatamente por conta da certeza de termos encontrado o amor de nossas vidas.


Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.