4min. de leitura

DIVÓRCIO, FINANÇAS & FILHOS

Ninguém casa para se divorciar. Casamos porque acreditamos no felizes para sempre. Só que a frase dita em frente ao padre, deveria ter algumas observações, que só descobrimos muito tempo depois na medida que o casal vai se distanciando pelos mais variados motivos.


A fase de transição de casado para divorciado é um dos piores momentos da vida. Uma montanha russa de sentimentos que oscilam de lágrimas  à gargalhadas em questão de minutos. Uma confusão mental que gera um total desequilíbrio das nossas emoções e certa dificuldade para se reerguer.

Quando existem filhos frutos de um casamento que não deu certo, a questão fica ainda mais complicada, pois o relacionamento que morreu permanece vivo batendo à sua porta a cada quinze dias para lembrar o quanto você foi incompetente e não conseguiu evitar esse momento.

Incompetente por ter obtido um fracasso no que deveria ser o maior projeto da sua vida. Casar, ter filhos, netos, bisnetos e uma mesa divertidíssima no natal. Lá pelas tantas você se depara com uma cadeira vazia na mesa. Pior ainda, quando seu filho vai passar a data especial com o pai e ficam duas cadeiras vazias. Mas como tudo na vida tem dois lados, considero muita competência não se contentar com migalhas e ter a coragem de modificar os resultados ruins que a vida apresenta. É preciso ser competente na maneira como se conduz a própria vida. Perceber que nada é para sempre, principalmente se não estiver bom. Ter a certeza de que qualquer pessoa nesse mundo possui capacidade para ser independente e feliz. Preservando a sua liberdade e o seu direito à felicidade.


São tantas perdas envolvidas numa separação que fica difícil acreditar que exista um meio de fechar as feridas e se entregar novamente ao amor. Para completar o cenário, ganhamos de brinde um desequilíbrio financeiro. Onde toda a renda do casal é dividida ao meio. Quando se trata de dinheiro, não adianta fingir que isso vai se resolver sozinho se continuarmos agindo como se o dinheiro estivesse duplicado. Temos que encarar o desafio, respirar fundo, elaborar em detalhes nossa planilha orçamentária e ajustar todos os pontos necessários para alavancar o recomeço. Com foco e disciplina é possível eliminar gastos desnecessários e investir as sobras para que o dinheiro se multiplique a ponto de realizar tudo aquilo que se quer.

Estou falando de atitude. É preciso olhar pra si e retirar o aprendizado que ficou do momento difícil, responsabilizando-se pela sua parte no processo de divórcio. Ninguém se divorcia sozinho. As duas partes contribuem para a ruptura. Cada um com seu percentual de ações. De nada adianta eleger culpados. É preciso corrigir os erros para que venham acertos pela frente. Para isso se faz necessário um processo de autoconhecimento para eliminar tudo aquilo que não funcionou e fortalecer pontos positivos para uma próxima relação. Melhor que isso, fortalecer a relação de amor entre pai, mãe e filho, mesmo que não exista mais o casal nessa história. Obviamente se quiser que seu filho seja um adulto bem resolvido e feliz, é claro.

Tempo, amor próprio e foco no futuro. Os ingredientes necessários para definir seu norte e alavancar seu recomeço.






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.