Comportamento

Do lixão para a culinária: jovem que largou os estudos para ajudar mãe na reciclagem ganha bolsa de gastronomia

4 capa Do lixao para a culinaria jovem que largou os estudos para ajudar mae na reciclagem ganha bolsa de gastronomia

Roque precisou parar de estudar para ajudar a mãe a complementar a renda da família. O trabalho com reciclagem, além de duro e doloroso, causa complicações de saúde.



A desigualdade social obriga crianças e adolescentes a desistirem dos estudos para trabalhar. Como o dinheiro que os pais recebem não é suficiente para arcar com todos os gastos da família, os jovens se sentem impelidos a oferecer sua mão de obra, mas para isso precisam abandonar seus sonhos, perpetuando assim, durante gerações, a mesma realidade de pobreza.

Não é sempre que as pessoas conseguem sair dessa lógica, tanto que, quando acontece, o caso vira notícia no mundo todo, mostrando um jovem que estudou muito, tornou-se milionário e que tudo se deve à quantidade de esforço empenhado.

Essa não é a realidade, e também não podemos diminuir o esforço das pessoas que estão na batalha diária, em busca do pão.


Muitos jovens precisam de ajuda para sair do círculo de pobreza, de uma oportunidade, de alguém que os enxergue como realmente são: pessoas cheias de sonhos!

O adolescente Roque Júnior Tavares, de 16 anos, precisou abandonar os estudos para ajudar sua mãe na coleta de materiais recicláveis, em Porto Alegre (Rio Grande do Sul). O jovem precisava ajudar no sustento da família, e a única coisa que poderia fazer era trabalhar. Vendo a situação, a Fundação Pão dos Pobres ofereceu uma bolsa de estudos em gastronomia, para ajudá-lo a se tornar chef de cozinha. Mas não é só isso, a empresa também vai oferecer-lhe meio salário e vale-transporte, quando o curso voltar a ser presencial.

 


Nesta semana, participamos de matéria especial do RBS Notícias sobre um menino da Ilha dos Marinheiros que conquistou…

Publicado por FUNDAÇÃO O PÃO DOS POBRES em Sexta-feira, 30 de abril de 2021

A coordenadora dos cursos da Fundação Pão dos Pobres, Simone Quadros, explica que ele vai ser contratado como jovem aprendiz. Roque decidiu trabalhar com reciclagem porque queria manter a renda de R$ 150 por semana, que a sua mãe Nely, de 44 anos, conseguia. Segundo reportagem do G1, ela contraiu grave infecção pulmonar, além de uma bactéria nas mãos e dedos, por isso o médico a proibiu de mexer com tais produtos.


4 2 Do lixao para a culinaria jovem que largou os estudos para ajudar mae na reciclagem ganha bolsa de gastronomia

Direitos autorais: reprodução/RBS.

O adolescente diz que é um trabalho árduo, que dói no corpo e na alma. Com a oportunidade que recebeu, Roque decidiu trocar a reciclagem pelo curso de gastronomia, no período da manhã, e os estudos no 6º ano do ensino fundamental, à tarde, que foram interrompidos para ajudar a mãe.

Simone explica que deseja ajudá-lo até o final, porque sabe que isso vai fazer com que fique bem. Foi a instituição que o matriculou na escola e ajudou a providenciar documentos pessoais, já que ele não tinha carteira de identidade.

A vida de pobreza extrema que Roque levava é a realidade de muitas pessoas que moram na mesma região. Segundo o censo do IBGE de 2010, cerca de 8 mil pessoas vivem na região das ilhas, onde fica o aterro sanitário da capital gaúcha.


Muitas famílias ali vivem com meio salário mínimo ou menos de R$ 240 por mês. Mas o adolescente segue sonhando e se imagina tendo o próprio restaurante, um espaço só seu. Roque acredita que, para alcançar seus objetivos, estudar é o foco, por isso afirma que vai continuar batalhando, persistindo para que a vitória seja ainda maior.

O que achou da história de Roque?

Compartilhe-a nas suas redes sociais!


Mulher paga estadia de hotel para mãe que dormia em banheiro de aeroporto com os filhos

Artigo Anterior

“Queria amar estar grávida, mas não amo”: mulher faz sincero relato e encontra apoio de outras mães

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.