Do que você está alimentando seu coração e sua mente?



O que estou alimentando dentro de mim hoje?

Um dia desses eu li sobre um mito nativo americano que gostei muito. Um líder tribal diz para seu neto que dentro de cada um de nós existem dois lobos em uma constante batalha.

Um lobo possui qualidades negativas como a inveja, cobiça, tristeza, raiva, ressentimento e arrogância. O outro lobo possui qualidades positivas como o amor, a alegria, bondade, empatia, compaixão, humildade e paz. O neto pergunta: “Qual lobo ganha a luta?” e o ancião responde: “Aquele que você alimenta.” 

Que chamada poderosa para a ação! Podemos colher inúmeros benefícios quando perguntamos a nós mesmos: o que estou alimentando dentro de mim hoje? Podemos optar por insistir em pensar em todas as coisas que julgamos erradas, reclamar de tudo para todos ao nosso redor, concentrar em tudo aquilo que pensamos que nos falta, e passar pelos nossos dias alimentando toda essa negatividade.

Ou podemos escolher nos envolver com o mundo de uma maneira leve, falar sobre as coisas que nos fazem bem, focar em tudo que nos faz feliz, e viver nossos dias gerando coisas positivas. 

Existe também uma terceira opção, provavelmente a mais realista de todas: nós podemos fazer o nosso melhor para reconhecer quando optamos pelo negativo, e assim fazer a escolha consciente de mudança para melhorar isso. Pode ser que nunca seja possível eliminar por completo os sentimentos negativos, mas podemos, sim, aprender a reconhecê-los e contestá-los com mais regularidade.

Pode ser que nem sempre vamos nos sentir amorosos e gentis mas podemos escolher meditar, ou fazer algo que nos ajude a criar essa calma interior, de modo que cultivemos esses sentimentos com mais frequência.

Talvez nunca possamos nos sentir permanentemente em paz, mas podemos escolher questionar a nossa inveja, nosso ressentimento e amarguras para desenvolvermos autoconsciência e agir de acordo com o que aprendemos.



Também ajuda reconhecermos que todos nós viemos de lugares diferentes, e apesar das nossas similaridades, cada um possui problemas e obstáculos próprios. Contrariando um pouco o mito, nem tudo é tão branco no preto. Isso significa que é nosso dever reconhecer quando estamos sem esse equilíbrio, evitando julgamentos muito duros e sem nos comparar com outras pessoas.

Assim podemos focar em dar o nosso melhor para nutrir bons pensamentos e sentimentos. 

Nós não vivemos em um mundo puramente positivo e não temos o poder de controlar tudo que acontece, mas podemos fazer do mundo um lugar melhor, quando procuramos primeiro o conhecimento e depois nosso florescimento pessoal.


Direitos autorais da imagem de capa: Skitterphoto from Pexels






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.