ColunistasComportamento

Dois exercícios para vencer seus medos

Dois exercícios para vencer

O medo, sentimento que deveria ser natural e que serve para nos proteger e preservar, está crescendo de forma não saudável, gerando doenças, dificultando as relações, paralisando muitas vezes nosso crescimento pessoal e profissional.



Pela influência do medo, muitas pessoas preferem se acomodar naquilo que já conhecem, mantendo-se em sua zona de conforto. Passam a não mais acreditar serem capazes de enfrentar, ou de mudar, aquilo que estão vivendo.

CUIDADO! Quanto mais negamos o medo, mais forte ele se torna, por isso, é preciso ter em mente que, ou nós o controlamos, ou ele nos controla.

O autoconhecimento é fundamental para sabermos como reagimos ao ambiente e o quanto o medo é intenso em nós, por isso vamos a um exercício prático: faça uma lista de todos os medos ao longo de sua vida até aqui. Escreva tudo o que lembrar. Desde os menores medos, até os maiores. Inclua tudo: animais, pessoas, situações, sentimentos, você mesmo. Tudo!


Se puder, pergunte aos amigos e parentes próximos do que eles lembram sobre seus medos. Para identificar o que pode ter ocorrido em sua vida que gerou o medo atual é preciso fazer uma busca em todo o passado.

Após esgotar todas as possibilidades e listar tudo o que lembra, passe um traço de outra cor nos medos que acredita que já conseguiu superar. Procure lembrar-se do maior medo superado na infância, depois na adolescência e assim por diante.

Avaliar situações de medo em que vencemos, em que tivemos sucesso frente ao “inimigo”, reforça a confiança em nós, nos faz voltar à situação, sentindo novamente a sensação prazerosa que é a da superação. Os sucessos do passado estimulam e reforçam nossa autoestima.

Em muitos momentos importantes na nossa vida, a capacidade de lutar, apesar de todos os obstáculos, vai diferenciar as pessoas que são protagonistas de sua própria história, afinal, a crise, os problemas, existem para nós e para todos. Só aquele que adota o papel de vítima acredita que sua dor é maior do que a dor do outro.


Além de conhecer seus medos e identificar quais já venceu, vamos treinar a plasticidade cerebral com outro exercício.

Vamos pegar cada medo superado e fazer ensaios de outras formas que poderiam ter sido utilizadas para lidar com eles e alcançar a superação. Como se escrevêssemos uma história, ou mais, colocando novas formas que poderiam ter sido usadas para vencer aqueles medos.

Essa técnica permite que associemos mais ferramentas que serão usadas quando necessário, mais tarde.

Sempre que revivemos uma situação que nos causou medo e geramos novas alternativas de como poderíamos tê-las enfrentado, estamos fortalecendo no nosso campo mental, novas atitudes.


Então, além de conhecer os medos, de associar sempre momentos de superação ou diminuição deles, o que mais podemos fazer? Outras dicas importantes:

  • Fazer exercício físico que regula o bem-estar.
  • Cuidar do balanceamento da alimentação para gerar equilíbrio.

  • Fazer exercícios de relaxamento, meditação e visualização. Matthieu Ricard, considerado pelos Neurocientistas o homem mais feliz do planeta, foi submetido a várias experiências e exames, atingindo a marca da não existência de stress, medo e frustração, bem como, atingindo satisfação em todas e cada uma das sensações positivas.
  • Entrar diariamente em contato com o prazer, procurando incentivá-lo em pequenas coisas, pois a sensação de prazer é a base da motivação.
  • Algumas das descobertas mais recentes da neurociência mostram a importância do carinho para a regulação da ansiedade e da resposta ao stress de forma geral. “Viver em boa companhia é um excelente passo para ficar de bem com seu cérebro” cita Suzana Herculano-Houzel, uma das mais respeitadas neurocientistas brasileiras.
  • Sorrir mais traz a “química da felicidade” para nosso cérebro, diminuindo o medo. O sorriso estimula o cérebro a liberar endorfina e serotonina

  • Pensar que, tanto as situações positivas, quanto as dolorosas, passam de qualquer forma na nossa vida.

Vamos terminar a reflexão com uma história:

Bernardinho em seu livro “Transformando Suor em Ouro”, conta a história de um sábio chinês que presenteou o imperador com um livro, que tinha apenas duas páginas.


Ao dá-lo o sábio explicou: “No momento mais triste de sua vida, leia a primeira página e feche o livro. E no momento mais feliz, leia a segunda. O presente terá atingido seu objetivo”.

Tempos depois, o azar abateu-se sobre o império. Uma peste matou parte da população, uma praga destruiu a lavoura, os bárbaros invadiram as terras saqueando o que sobrara. Desesperado, o imperador lembrou-se do livro. Na primeira página, somente uma frase curta: “Isso vai passar”. Incansável e laborioso, ele convocou seus conselheiros e pediu o apoio de seu povo para expulsar os invasores, debelar a peste e recuperar a lavoura.

Mais tarde, sua única filha casou-se com o filho de um imperador vizinho e os dois países se uniram num único e imenso império. Feliz da vida, o imperador lembrou-se novamente do livro e foi direto à segunda página, onde se lia apenas outra frase curta: “Isso também vai passar”.

Espero que você diminua muito seus medos!


Grande abraço!


Direitos autorais da imagem de capa: Alexander Ramsey on Unsplash


Deixar ir dói, mas segurar o que te faz mal é bem pior

Artigo Anterior

Uma curandeira precisa saber caminhar descalça, levantar poeira e se perfumar de terra…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.