E, apesar de tudo, você respirou fundo e continuou

E por que você continuou? 

Apesar de todos os seus tombos, a sua cara rachada, as suas dúvidas e suas incoerências, você continuou! Continuou, porque algo ali dentro lhe dizia: “Ei, amanhã há de ser outro dia!”

Outro dia, como sugeria Chico Buarque na sua canção. Pois, “apesar de você”, do contexto da década de 1960, o amanhã havia de ser outro dia para Chico. E sempre foi! O amanhã sempre nos trouxe experiências e com elas, sensações inesperadas.

E mesmo, apesar da vontade de jogar tudo para o alto, de sucumbir um final de semana inteiro embaixo das cobertas em posição fetal, de correr aos prantos em busca de Pasárgada, como no poema de Manuel Bandeira.

Apesar disso tudo, você respirou fundo e continuou.

Porque sim, o sol nasce para todos, e, a luta é sua e de mais ninguém.

Sim, apesar da conta zerada, dos poucos amigos, da solidão em meio a multidão e daquele pé no traseiro, no momento em que você mais precisava de um colo, você continuou!

Continuou, porque um coração batia ali dentro, acelerado e sedento por vida.

E, apesar das insensibilidades, das palavras ditas ou escritas ao vazio, dos enganos, das ausências, das rejeições e dos nãos que a vida já lhe deu, você continuou e agradeceu pelos seus dias. Por que!?

Porque é assim que a vida é composta. De seres humanos guerreiros, adaptáveis, versáteis, em constante aprendizado, capazes de levantar e brotar novamente.

Essa é a nossa natureza, somos seres fortes, nos reinventamos e renascemos a cada novo dia. 


Direitos autorais da imagem de capa:  Rene Asmussen from Pexels



Deixe seu comentário