Reflexão

É extremamente difícil ser o bode expiatório da família!

e extremamente dificil ser o bode expiatorio da familia

Uma reflexão interessante sobre uma realidade difícil enfrentada por muitas pessoas!



“Bode expiatório” é uma expressão que já pode ter aparecido para você em diversas circunstâncias, seja em diálogos do dia a dia ou até mesmo em livros e filmes, mas você sabe o seu verdadeiro significado?

A expressão tem sua origem na história da humanidade, em que, por muitos anos, diversas culturas e religiões fizeram sacrifícios de animais baseados na crença de que a morte deles seria capaz de fazer desaparecer cada um dos seus pecados.

Os animais sacrificados, apesar de não terem nada a ver com os erros dos humanos, eram mortos pelo bem comum. No mundo atual, usamos essa expressão para designar as pessoas que são escolhidas por aqueles como as que devem receber punições e pesos emocionais.


Os bodes expiatórios podem existir em todos os contextos possíveis, mas um dos mais sérios é o familiar. Nesse caso, os membros da família escolhem apenas uma pessoa para ser constantemente punida. Essa pessoa é o alvo, é nela que depositam a responsabilidade por todos os seus erros, para que possam sempre parecer bons e corretos para aqueles ao seu redor.

Falando mais claramente, essas pessoas são aquelas em que a família coloca a culpa de tudo que lhe acontece, mesmo que não esteja envolvida na situação.  Quem não conhece os bodes expiatórios mais profundamente pode acreditar na imagem de “ovelha negra” criada sobre eles, o que pode prejudicar seriamente suas vidas.

É bastante comum crianças ou outros membros mais sensíveis da família serem escolhidos como bodes expiatórios, usados como depósito emocional dos pais e outros familiares, que descontam neles suas decepções e insatisfações.

Durante o seu crescimento, essas pessoas, que também podem ter muita inteligência, senso de independência, liberdade e até mesmo responsabilidade, são culpadas por todos os desentendimentos e erros da família, muitas vezes sob o pretexto de que esse padrão tóxico serve para torná-las mais fortes.


Como consequência de todo o abuso emocional ao qual são submetidos, os bodes expiatórios podem se tornar inseguros, infelizes, ter baixa autoestima e acreditar que não são merecedores de felicidade, buscando sempre novos relacionamentos que espelhem tudo aquilo que viveram a vida toda, já que não conhecem nada diferente.

Essas pessoas também podem carregar profunda insatisfação e ressentimento, quando compreendem que não deveriam ter recebido esse tratamento de seus familiares, sabotando as suas relações com cobranças frequentes ou ataques de raiva.

Se você se identifica com essa realidade, é preciso refletir sobre a maneira exata como foi criado. Pode ser que você realmente seja o bode expiatório da sua família e hoje viva uma realidade com a qual não se identifica porque teve sua identidade “manchada” por aqueles que deveriam cuidar de você desde muito cedo.

No entanto, tenha em mente que esse não é o fim da linha. É possível quebrar esse padrão negativo, embora não seja fácil. É importante saber que, embora a vontade de confrontar a família e se mostrar como um ser independente exista, todo o processo começa em você ao se libertar do sentimento de culpa e compreender que não é sua responsabilidade carregar o peso alheio.


A partir disso, você poderá construir a própria personalidade de uma maneira saudável, reconhecendo todas as suas forças, priorizando-se, abandonando as etiquetas tóxicas que sua família colocou em você e descobrindo o poder da autoestima e do amor-próprio.

Ter o acompanhamento de um profissional terapêutico é fundamental nesse processo, também é importante saber que, dependendo de sua relação com a família, o melhor pode ser estabelecer limites sérios ou até mesmo cortar o contato totalmente para conseguir viver sem voltar a ser prejudicado.

Empresa de aviação faz sucesso ao trocar saias e salto de aeromoças por calça e tênis

Artigo Anterior

Marido construiu casa que gira para esposa ter uma “visão diferente a cada dia”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.