4min. de leitura

E as finanças, meu bem?

Leia ouvindo: Pink Floyd – Money


Ah, a vida adulta! A gente ri quando dizem que resume-se em pagar boleto e tentar emagrecer, mas é quase isso. Com quase trinta anos a relação com a dieta e com o dinheiro muda completamente! Você até gosta de gastar com peças de moda, mas o foco não necessariamente é esse. Existem outras tantas prioridades, e cobranças – principalmente quando você decide morar sozinha! Ao invés de um guarda roupa repleto das boas grifes, o prazer vem daquela louça nova, a luminária design na sala, o planejado da cozinha, entre outros tantos (!) gastos, sem contar as viagens. O foco muda, a gastança também.

Obviamente que chegar nos quase trinta não significa ter maturidade para controlar o financeiro, pelo contrário, uma escorregada a mais e pronto, ladeira abaixo.

A escolha por conforto te faz entrar no vermelho, o estímulo do sucesso também.

Apesar do conceito ter mudado bastante, o sucesso tem formato e algumas aquisições são necessárias para o mesmo ser avaliado. As roupas que você usa, os lugares que frequenta, o carro que tem, as viagens que faz, as músicas que ouve e até mesmo o que você come entram em tal avaliação.


Por mais que você esteja se lixando para a opinião alheia, você está na mira de todos os olhares. Pessoas estão inspirando-se em você, pirando também, criticando idem.

Tendo uma vida financeira organizada ou não, mostrando muito ou pouco do seu estilo de vida, você é o alvo.

Sem nem mesmo perceber entramos nesse jogo do sucesso. Queremos ter, ter e ter. O esforço da conquista não é nosso, é para mostrar para o outro o nosso poder em conseguir. É como cuidar muito do nosso gramado esperando que o vizinho repare, sabe? Você deixa de curtir tantas coisas preciosas para que a sua grama esteja sempre verde. Será que a vida se resume mesmo nisso?

Nos cobramos para chegar lá, mas onde exatamente é o lá? O meu objetivo é diferente do seu, isso significa que a interpretação de sucesso também é.


O dinheiro é importante sim, mas será que não é necessário estourar a bolha? Trazer para uma realidade mais amena – digamos assim, ser bem-sucedido no trabalho, pagar em dia todas as contas e viver dentro de possibilidades reais. Será que não é necessário avaliar prioridades e principalmente, o valor do seu sucesso?

Será que não está na hora de diminuir as parcelas do cartão de crédito, do boleto e pensar finalmente no longo prazo?

Se os tempos são líquidos, que o sucesso – inclusive financeiro, seja sólido!

Viver o aqui e agora não significa que o amanhã precisa ser de vento. Certo?

______

Direitos autorais da imagem de capa: piksel / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.