publicidade

É permitido chorar!

Tenho visto muitas pessoas com vergonha ou até mesmo  sentindo-se  culpadas por estarem tristes e ou chorando.

Na minha percepção, isso acontece porque na sociedade contemporânea em que estamos inseridos, alguns sentimentos vêm sendo reprimidos e até mesmo marginalizados, por serem considerados inadequados. As pessoas são incentivadas a fingir que está tudo sempre fabulosamente bem, mesmo quando estão destruídas por dentro.



Eu, particularmente, acredito que isso seja um grande problema, e considero como um sintoma de negação da realidade vivenciada, como uma espécie de dissociação cognitiva entre o que é exibido ao público e o sofrimento escondido e sufocado. Sei que este é um tema um tanto denso e por vezes mal visto, mas penso que alguém precisa falar sobre o assunto, então, resolvi escrever algumas breves colocações sobre o mesmo.

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que acho fundamental que as pessoas comecem a aceitar suas dores e suas feridas e compreendam que estas, fazem parte da natureza humana e do nosso aprendizado aqui na Terra. Sei que essa minha sugestão pode não ser muito bem vista, a princípio, porque nos dias de hoje, assumir a tristeza passou a ser praticamente um tabu.

Eu, enquanto terapeuta e humana vejo o choro como algo natural e importante para o bem-estar dos indivíduos, pois chorar é uma reação fisiológica a um acontecimento negativo (sejam pensamentos ou fatos), as lágrimas servem como um mecanismo de limpeza energética da psique humana. 


Entretanto, quero deixar claro, que não estou aqui fazendo apologia à tristeza ou depressão, muito pelo contrário, estou apenas dizendo que para transformar qualquer sentimento ou situação, é preciso, primeiramente, aceitá-lo e permitir-se senti-lo, profundamente, para a partir daí conseguir fazer uma ressignificação de tudo o que está acontecendo, trazendo uma Consciência Superior para avaliar as questões vivenciadas.

Em outras palavras, estou sugerindo que, quando alguém sente uma dor emocional, é importante que essa pessoa saia da postura vitimista e comece a perguntar a si mesmo qual o motivo daquilo estar acontecendo em sua vida. Uma vez que se tenha identificado o que realmente está por trás de tal frustração, é possível começar a pensar em estratégias para mudar aquilo, e aos poucos ir subindo novamente a escala energética dos sentimentos, podendo fazer, então, escolhas mais sábias que conduzam a situações de maior prazer, amor e alegria.

Jung dizia que o que se rejeita, aprisiona e o que se aceita, liberta. Então, seja o que for que você estiver passando nesse momento, esteja sempre consciente e sinta a dor da sua alma, mas em seguida, assuma a responsabilidade, pegue as rédeas e mude a direção.


Se você chora de maneira consciente é porque você é forte o suficiente para assumir todos os seus sentimentos, porque sabe que tem o poder de sair daquele estado, pois você é muito maior do que o seu problema, seja ele qual for.

Portanto, se você parar de “enfiar o lixo debaixo do tapete”, encarar os fatos e fazer as escolhas corretas, irá consequentemente superar qualquer dificuldade, porque evoluir e caminhar para um estado mais pleno é o caminho natural da vida.

Faça algo por você e, se necessário, busque ajuda, tenha coragem e procure um profissional competente que possa ajudá-lo a lidar com isso, ensiná-lo a seguir em frente e a construir uma realidade melhor e genuinamente mais harmônica, pois, às vezes, tudo o que precisamos é de alguém que nos acolha, que nos ouça e nos oriente.

Parafraseando Sartre, não importa o que fizeram com você e sim aquilo que você faz com o que fizeram com você.

Esteja atento e siga em frente!

Com todos os meus intensos sentimentos,

Tatiana M. Galvão

______________

Direitos autorais da imagem de capa: lightpoet / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.