3min. de leitura

É preciso manter um alinhamento entre o que se pensa, sente, fala e faz

Sobre as incoerências nossas de cada dia.


Hoje, lendo algumas notícias publicadas pela imprensa nacional, acabei me deparando a refletir na incoerência do ser humano… de todos nós, sem exceção.

Da dificuldade que temos em manter um alinhamento, seja ele qual for, entre o que pensamos, sentimos, falamos e fazemos.

Sofremos de um tipo bem peculiar de esquizofrenia, que nos leva a comportamentos estranhos, algumas vezes, beirando o bizarro.

São os políticos prometendo qualquer coisa, para obter um voto, assumindo um cargo e, no minuto seguinte, começando a fazer tudo diferente do que foi dito. Tão incoerente quanto isso é o eleitor que vota repetidas vezes em quem já demonstrou que não tem palavra.


São os pais que prometem uma determinada disciplina a um filho desobediente, e fica tudo por isso mesmo, quando o “coitadinho” incide na mesma infração pela milésima vez.

É o homem que assume um relacionamento, por livre e espontânea vontade, e passa a fazer malabarismos e criar as mais mirabolantes histórias para viver uma vida paralela.

É a mulher que não assume o que realmente quer e representa um papel desconectado da sua essência, emitindo uma série de mensagens confusas e culpando todos os homens pelas suas frustrações.

São os filhos, que não assumem responsabilidade pela sua própria vida, e vivem para culpar a família por todas as dificuldades que enfrentam.


É o patrão que trata os funcionários como gado e reclama da falta de comprometimento do seu “time”.

É o professor que se relaciona com os alunos como se estes fossem incapazes de desenvolver um pensamento crítico, e penaliza todos os que esboçam algum tipo de autonomia intelectual.

São os alunos que acreditam que qualquer pesquisa na internet substitui as interações de uma sala de aula e se transformam em papagaios repetidores de ideias emprestadas.

Infelizmente, a lista dos exemplos é interminável…

E seguimos as nossas vidas sem olhar no espelho, sem fazer uma autocrítica, sem aprender nada. Ligados no piloto automático, reproduzindo falas, comportamentos e ideias que não são analisadas e pior, nunca são submetidos à uma validação.

“Engolimos tudo com farinha”, sem pensamento crítico.

Como este tipo de comportamento faz com que ajamos totalmente desconectados da nossa essência e das nossas verdades mais profundas, acabamos por ser totalmente incoerentes, várias pessoas numa só, confusos, falsos e… emocionalmente doentes.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.