É preciso permitir que coisas lindas aconteçam…

Entenda uma coisa: os muros que você constrói não fazem bem a você.

É fácil exigir a perfeição do outro e dizer que no mundo só tem pessoas que não prestam e não servem para se relacionar.

Focando neste pensamento, toda pessoa que se apresentar a você só verá nelas aquilo que não presta e não lhe serve. As pessoas vão passar a perder o encantamento, e principalmente o direito de evolução e mudança perante seus olhos.

Na maioria das vezes é mais fácil para gente se isolar em mecanismos de defesa, pequenas ilhas e grandes muros. Descobrir o mundo do outro é uma aventura que nos leva sempre a descobrir o nosso próprio mundo.

Por isso é tão difícil, por que não somos verdadeiros com nossos próprios sentimentos e a imagem que temos de nós mesmos. Descobrir o outro sempre faz com que voltemos a nós.

É fácil ficar quieto, sem se aprofundar e construir barreiras.

Qualquer um que se aproximar temos todos os motivos para não deixar entrar, já temos todas as desculpas prontas estaladas como crenças que nos limitam.

Ao qualificar o outro como insuficiente estamos projetando aquilo que nos falta.

Se somos faltosos, logo somos também insuficientes e é doloroso para nós aceitar isso. Por este motivo, nós nos isolamos e deixamos de viver.

Porque viver não tem nada a ver com isso.

Viver é experimentar, mesmo que a experiência nos frustre.

É vivendo, frustrando-se, permitindo-se, que encontramos nossa verdade.

Só assim poderemos acolher e melhor lidar com aquilo que nos falta e projetar uma imagem melhor daquelas pessoas que fazem parte do nosso mundo.

Precisamos permitir que coisas boas e lindas nos aconteçam.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF/dtatiana



Deixe seu comentário