É proibido chorar sem aprender, levantar-se um dia sem saber o que fazer. Ter medo de suas lembranças.



É proibido não rir dos problemas, não lutar pelo que se quer, abandonar tudo por medo, não transformar sonhos em realidade.

É proibido não demonstrar amor, fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau humor.

É proibido deixar os amigos, não tentar compreender o que viveram  juntos, chamá-los somente quando necessita deles.


É proibido não ser você mesmo diante das pessoas, fingir que elas não te importam, ser gentil só para que se lembrem de você, esquecer aqueles que gostam de você.

É proibido não fazer as coisas por si mesmo e fazer seu destino, ter medo da vida e de seus compromissos, não viver cada dia como se fosse um último suspiro.

É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar, esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se desencontraram, esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.

É proibido não tentar compreender as pessoas, pensar que as vidas deles valem mais que a sua, não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.


É proibido não criar sua história, deixar de dar graças  por sua vida, não ter um momento para quem necessita de você, não compreender que o que a vida te dá, também te tira.

É proibido não buscar a felicidade, não viver sua vida com uma atitude positiva, não pensar que podemos ser melhores, não sentir que sem você este mundo não seria igual.

Pablo Neruda


A metáfora do prego

Artigo Anterior

A árvore dos problemas

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.