E quando não amamos mais…

5min. de leitura

Estaria tudo perfeito se não fosse por um pequeno detalhe: Já não amamos esse alguém.

Um dia acordamos no domingo e lá está alguém para ficar com a gente até mais tarde na cama. Temos alguém para ligar quando o nosso dia deu errado. Alguém para juntos preparar uma comida e abrir um vinho. Alguém que prontamente procura baixar todos os filmes que queremos ver e capricha em realizar as nossas vontades. Estaria tudo perfeito se não fosse por um pequeno detalhe: Já não amamos esse alguém.



Se tem um momento dramático na vida é quando nos damos conta de que a pessoa com quem estamos já não nos interessa mais. Às vezes, nem sabemos se isso aconteceu aos poucos ou se, um belo dia, todo aquele encantamento que sentíamos se esgotou.

Acontece que ainda há carinho e, em alguns casos, o sentimento de apego e o medo de ficarmos sozinhos. Também não queremos ver o outro sofrer, ainda mais quando percebemos que esse nutre um sentimento genuíno por nós.

Depois da tomada de consciência que não amamos mais a pessoa com quem estamos, é comum que ainda levemos por um bom tempo o relacionamento, por medo de tomarmos uma posição.


As cenas que sucedem o desenrolar dessa história são meio que fáceis de concluir. O relacionamento vai se desgastando e, pouco a pouco, você passa a se irritar com tudo que diz respeito ao seu parceiro. Terá sorte, se a respiração dele (a) não o (a) incomodar.

O carinho que existia e o respeito que essa pessoa merece vão por água abaixo, porque você optou por se acovardar diante dos seus sentimentos.

Tem pessoas que por não conseguirem ficar sozinhas, já vão preparando o terreno, ciscando em outros terreiros, engatilhando uma nova vida dupla, antes mesmo do término.  O correto é sermos fonte integral da nossa felicidade e, de fato, a encontraremos mais rápido, se focarmos nisso, mas somos seres complexos e temos nossas fragilidades. Não cabe aqui julgar.


O que não podemos de jeito nenhum é sustentar um relacionamento que já não nos faz feliz. Temos a obrigação de lutar pela nossa felicidade e dar o direito ao nosso parceiro de encontrar alguém que o ame como ele merece. Se ele encontrar alguém que o proporcione isso e nós quebrarmos a cara nas nossas tentativas, que bom! Não fizemos nada além do que a coisa certa.

Lembro quando me apaixonei por um rapaz que sentou do meu lado no banco do ônibus, quando ia para o interior. Foi o romance mais passageiro (literalmente) da minha vida, mas colocou em xeque um relacionamento de três anos.

Fiquei pensando no quanto o meu namorado queria ter uma família e, com todas as minhas incertezas, eu estava deixando o sonho dele cada vez mais distante de se realizar e não era justo. Nunca voltei a ver o rapaz do ônibus, meu ex-namorado encontrou alguém que o faz feliz e, por mais que tenha vivido alguns relacionamentos bem frustrantes, posteriormente, nunca me arrependi.

Fazer a coisa certa nunca vai causar arrependimento. Se você está em um relacionamento que não o faz feliz, não tenha medo de enfrentar essa situação. Por você, pela pessoa que você está, pelas pessoas que vocês terão a chance de encontrar.

Não sustente relacionamentos falidos por medo, apego ou acomodação. Esses são sentimentos que jamais devem reger um relacionamento. Busque que sentimentos positivos tomem conta do seu caminho. O universo cuidará para que tudo acabe bem.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: luckybusiness / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

* Matéria atualizada em 30/03/2018 às 5:59






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.