5min. de leitura

E SE EU NÃO FOR, O MUNDO CAI?

E se eu descobrir que nem todas as mensagens devem ser respondidas, que nem todas as pessoas que me procuram por algum motivo merecem doses idênticas do meu afeto? E se eu concluir que a vida sem algumas pessoas , sem algumas atitudes , sem algumas imposições, sem algumas curtidas por obrigação fica bem melhor? E se eu descobrir que nem todo mundo precisa me achar simpática? E se eu descobrir que não preciso ser simpática com todo mundo, apenas educada? O mundo vai cair? 


E se eu não for no almoço anual das meninas que estudaram balé comigo de 1900 a 1902? E se eu não for no aniversário da prima super simpática, porém inexpressiva, de uma amiga que na verdade nunca foi muito minha amiga? E se eu deixar de mandar felicitações para um ex-colega por uma promoção conquistada por meios escusos?

E se eu não enviar uma mensagem florida de Natal para todos os parentes que nunca deram bola para mim? E se eu preferir passar as férias em casa, curtindo o meu jardim a enfrentar horas na estrada? E se eu decidir que eu quero deixar o celular desligado por uma semana enquanto me mato de ver séries no Netflix?

E se eu descobrir que nem todas as mensagens devem ser respondidas, que nem todas as pessoas que me procuram por algum motivo merecem doses idênticas do meu afeto? E se eu concluir que a vida sem algumas pessoas, sem algumas atitudes, sem algumas imposições, sem algumas curtidas por obrigação fica bem melhor? E se eu descobrir que nem todo mundo precisa me achar simpática? E se eu descobrir que não preciso ser simpática com todo mundo, apenas educada? O mundo vai cair?


O mundo vai cair se a gente parar de fazer média e tentar conquistar o carinho de pessoas que não estão nem aí para nós? O mundo vai cair se a gente admitir para nós mesmos que para ser o nosso amigo não basta ser bonzinho, tem que ter algo a mais? Um mínimo de carisma, um mínimo de savoir faire? Que gente muito fútil e superficial nos irrita? Que não somos obrigados a sorrir sem parar diante de um show de lugares comuns? E se eu deixar aquela pseudo amiga politicamente correta saber que eu sou bem sarcástica, o mundo vai cair?

O mundo vai cair se a gente não tiver a aprovação de pessoas que pensam de um modo completamente diferente do nosso? O mundo vai cair se a gente assumir que certos laços desafrouxaram, que algumas pessoas que foram importantes não significam mais nada para nós? Que alguns perdões a gente nunca vai ser capaz de dar? Que a magia de determinadas situações se extinguiu e não há nada a se fazer?


Se não tomarmos cuidado, a nossa vida emocional começa a virar uma grande lixeira afetiva como a casa das pessoas neuróticas obsessivas que vão acumulando tranqueiras mil. Por medo de desapegar daquilo que já se desapegou de nós, vamos fingindo um interesse sem sentido, sem razão de ser. Vamos forjando emoções vazias, que fazem a vida parecer cada vez mais fria e distante de nós mesmos. Precisamos aprender a enterrar nossos cadáveres. Precisamos aprender a sepultar o que já morreu e está simplesmente embalsamado. E se eu não for por que já não sou aquela que recebeu o convite há séculos? O mundo vai cair?





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.