Educamos para máquinas e não para humanos!

Há dias a minha filha veio da escola de cariz baixo, algo raro nela. Perguntei-lhe o que se passava ao qual ela respondeu que o grupo de amigas anda todo nas aulas de hip hop e que no recreio não a deixavam entrar nas suas coreografias porque ela não andava.



Pensei que me fosse pedir para a inscrever no hip hop, algo que apoiaria tal como apoio as outras atividades onde ela está, mas não. Apenas disse-me que não compreendia como é que as colegas nem sequer a ajudavam ou ensinavam para que ela também fizesse parte das tais coreografias, pelo menos durante o tempo de recreio e assim brincavam todas juntas.

Levou-me a refletir na educação que damos aos nossos filhos e no ensino que lhes é dado nas escolas.

Ensinam-lhes equações matemáticas que de nada servem para o nosso dia-a-dia. Ensinam-lhes símbolos de química que decoram para os testes e mal acabam de os fazer já os eliminaram da memória.


educamos-para-maquinas-e-nao-para-humanos-capa-e-dentro

Ensinam-lhes a falarem não sei quantas línguas, mas nunca lhes ensinam que dizer “bom dia” quando entram, por exemplo, num elevador é mais importante. Ensinam-lhes a fazerem medições com réguas, mas não lhes ensinam a medir o respeito. Ensinam-lhes a escrever, mas nunca os incentivam a escrever uma carta de desculpa a alguém que possam ter magoado. Ensinam-lhes todos os desportos e mais alguns, mas nunca os ensinam a ajudar o colega que ainda não consegue fazer o pino.

Não ensinam a pensar, em dar amor, em dar atenção, em pedir perdão. Não ensinam a ser humanos, apenas máquinas que por aí habitam com rotinas estranhas, para ganharem dinheiro, e gastarem-no em tanta coisa inútil.


Ensinam-lhes que o caminho correto de evolução humana é terminarem a faculdade, irem para um emprego que nem gostam, a aturarem atitudes de chefes e patrões mal formados e educados, receberem dinheiro ao final do mês, quanto mais melhor, para pagarem a casa, o carro (para mostrarem aos “amigos” como têm status), as despesas inerentes a estes, a roupa cara das melhores grifes do mercado, e comerem mal, muito mal mesmo. Comprarem comida congelada para não terem trabalho e tempo a prepará-la e também assim escusam de se preocuparem em saber cozinhar, em saberem os alimentos da época, os ingredientes que fazem bem à nossa saúde, os alimentos que precisamos nas diferentes mudanças físicas pelas quais passamos.

Não vejo as boas ações a serem avaliadas, o respeito pelos colegas, a compaixão, a entreajuda, a compreensão.

“Ensinam-lhes” a reparar na roupa que o colega do lado traz, mas não os ensinam a reparar se a expressão deste está triste ou feliz. Ensinam-lhes a apontar o dedo, mas não os ensinam a disponibilizarem-se para ajudar o outro. Ensinam-lhes a “não mostrar fraqueza”, mas isso não faz de deles fortes.

E é nisto que vivemos, nos ensinamentos de matérias que mais de metade não utilizamos na nossa vida prática, nos ensinamentos materiais, mas nunca nos sentimentais. E esta é a razão pela qual sabemos o preço das coisas, mas não o valor delas. É por isso que magoamos com mais facilidade do que amamos ou pedimos perdão. É por isto que ofendemos mais depressa do que dizemos um “gosto de ti”. É por isto que nos custa demonstrar carinho, mas não temos qualquer problema em levantar a voz.

E para quando é que pais e professores ensinam a amarmos? E quando é que nos dizem que esta é a “coisa” mais importante das nossas vidas?

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.