Comportamento

Ele perdeu 44 kg em um ano sem deixar de comer pizza de sexta-feira

Capa Facebook Ele perdeu 44 kg em um ano sem deixar de comer pizza de sexta feira

Um homem compartilhou sua jornada de emagrecimento e busca por uma vida mais equilibrada.

Carlos Antonio Cardoso Sobrinho, um homem de 39 anos, passou por uma jornada de emagrecimento para tentar melhorar seu bem-estar, embora ele sempre tenha se considerado um “gordinho saudável”, pois seus exames não revelavam problemas.

De fato, nem sempre pessoas acima do peso enfrentam problemas de saúde, isso é apenas um senso comum que ajuda na manutenção do preconceito contra pessoas gordas. De acordo com Flávia Durante, criadora da maior feira de varejo de itens voltados para pessoas gordas, como roupas plus size, a gordofobia não acontece somente por meio de xingamentos, mas de problemas sistêmicos, como o fato de assentos do transporte público não comportarem os corpos gordos.

No caso de Carlos, ele queria controlar sua obesidade para não ter complicações dessa doença em longo prazo, por isso ele começou a estudar mais sobre alimentação, algo que seria uma novidade na sua vida, pois de acordo com o portal UOL, Carlos revelou que foi uma criança acima do peso, embora isso não o preocupasse, e já na fase adulta, não demonstrava interesse por atividades físicas e alimentação regrada.

Ele se recorda de que sua primeira grande perda de peso foi quando serviu ao Exército, aos 18 anos. A rotina intensa do quartel rendeu bons resultados, mas logo seu corpo voltou ao que ele conhecia, pois quando saiu do Exército, comia a mesma quantidade, mas sem os exercícios da rotina de cadete.

2 Ele perdeu 44 kg em um ano sem deixar de comer pizza de sexta feira

Direitos autorais: Reprodução / Arquivo pessoal

Além da comida, Carlos, assim como tantas pessoas, acabou bebendo mais do que devia, e a bebida alcóolica é um grande inimigo de quem busca uma dieta balanceada.

O máximo de peso que Carlos alcançou foram 127kg, e diminuir essa marca se transformou numa meta desafiadora. Todo começo de ano, ele fazia a promessa de que perderia peso; chegou até a pagar seis meses de academia adiantados para ter esse incentivo aos exercícios, mas depois de algumas semanas, o foco para mudança dava espaço à frustração, e ele voltava para o seu “modus operandi” usual: sedentarismo e alimentação desregrada.

A mudança

Carlos só se comprometeu com a perda de peso quando ouviu de um médico que, apesar de seus exames apresentarem resultados ótimos, era apenas uma questão de tempo até que toda a gordura que ele ingeria começasse a prejudicar muito sua saúde.

Depois dessa notícia, o homem só pensava em sua família e que não queria estar longe dela, por isso a mudança de hábitos precisava acontecer o quanto antes para lhe garantir uma velhice saudável ao lado da esposa e da filha.

Mas como essa não era sua primeira vez tentando perder peso, resolveu que faria tudo diferente, mesmo que não fosse o que esperavam de alguém que busca perder peso. Usando sua experiência em pesquisa, como professor, começou a analisar e estudar os alimentos para melhor compreender o que estava colocando no seu corpo.

Outra coisa que decidiu foi que não faria uma dieta restritiva, pois em suas experiências, limitar sua alimentação tão ferrenhamente não lhe trazia bons resultados, só o fazia desejar aquela comida mais ainda.

E uma das mudanças mais importantes que Carlos implementou foi ter paciência. Antes, ele sempre tinha como meta perder grandes quantias, com 30 quilos, mas desta vez ele foi mais leve consigo mesmo, estipulando metas possíveis de cumprir.

Dedicação que se tornou paixão

Carlos se entregou completamente aos estudos sobre alimentação. O que havia começado com leituras despretensiosas sobre o tema se tornou uma paixão, e o professor até mesmo começou a cursar a faculdade de Nutrição.

Agora, como quase um profissional da área, ele entende a importância de uma dieta individualizada e não seguir apenas o que as pessoas na internet e os famosos dizem que faz bem. E diz mais: o acompanhamento de um profissional é de extrema importância, pois mesmo a dieta de um amigo com um corpo similar pode não funcionar para outra pessoa.

Para ele, entender sobre sua alimentação ajudou a compreender o que estava consumindo todo dia, o que o saciava ou não e a adequar todas essas informações a comidas que faziam sentido para o seu dia a dia.

Carlos disse que foi libertador perceber que era possível emagrecer sem depender de produtos caros de empórios de emagrecimento; comendo arroz com feijão e pizza toda sexta-feira, ele conseguiu perder 44 quilos. Seu sono e disposição melhoraram e hoje ele continua cuidando de sua alimentação sem neuras, apenas buscando o melhor para si.


*Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo, elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

0 %