Eles dirão que foi sorte, mas a única sorte foi não desistir do dom que o Universo lhe deu

Um dia você vai ter um sonho e vai aprender a viver com ele todo dia. Alguns dias serão vistos apenas por você, suas noites em claro e sua determinação que seguirá em silêncio.

Você vai amar uma, duas ou três vezes e detestar outras mil… a cada nova ideia que tiver para colocar seu caminhar em prática.

Um dia, você vai sorrir muito e vão dizer que foi sorte.

Foi sorte todas as vezes em que chorou e viu as oportunidades à sua frente, depois de muito esforço. Foi sorte todas as vezes em que apenas você viu que não bastaria esforço, mas estar ao lado das pessoas certas para colocar seus projetos em dia. Simplesmente, porque percebeu que há um abismo entre seu sonho e ver que nem todos torcem por isso. Você aprendeu que um sonho é sua jornada particular com ALGO MAIOR e apenas isso.

“Foi sorte” a realização de algo que tanto quis, depois de muitos calos. Às vezes, adoeceu, contou moedas e se perguntou por qual motivo estava nesse caminho que apenas seu coração apontava a direção.

Algumas vezes você apenas tinha um livro por perto, uma frase, ou uma música para dizer para você não desistir. Outras vezes, você tinha um espelho e desse espelho nascia a maior honra que poderia ter: a força de seu dom.

Foram dias (e, talvez, ainda sejam) que o fizeram caminhar pelos desertos e sentir de si mesmo a alegria de pertencer por um objetivo. A plantar as sementes de suas virtudes no solo árido e a ter fé como elixir de cada dificuldade.

Diziam ainda ser “sorte” cada passo alcançado, mas apenas você sabia quantos tropeços o fizeram querer voar para mais longe e alto. 

Você ficou forte, aprendeu a ter olhos de águia e a ter acessos a mapas que apenas você pode ler. Você foi escolhido para ser um protagonista da própria história e teve que aprender  a ouvir sobre o quão longe estava… quando, na verdade, estava apenas sendo o mestre de seu destino.

Você tomou partida pelo seu centro e, com isso, aprendeu a nunca mais a ficar sozinho (a) e a depender apenas de sua coragem. Isso foi o suficiente quando precisou se reerguer muitas vezes e precisou honrar aquela velha pessoa que você viu no espelho. Não era mais uma velha face, mas um espírito merecedor. Você deu tudo o que poderia dar e viu o tempo passar. Pensou várias coisas sobre ter uma linha, um fim e uma meta a ser alcançada em determinado tempo.

Você chorou e se questionou por não ter tempo para tudo e quando as coisas finalmente dariam certo. Só esqueceu de pensar que já davam certo, porque você estava fazendo o seu melhor. E a partir do seu melhor, já é a sua parte neste mundo. Não se esqueça disso! Não tenha medo do fim, pois quem o tem esquece de viver.

Não tenha medo das pessoas más, dos obstáculos e não gaste energia pensando no que perdeu, se ainda está saudável para conquistar muito mais. Seu sonho precisa de extensas curvas, porque não há uma grande história para ser contada sem altos e baixos.

Eles dirão que foi sorte, mas talvez a única sorte foi não desistir do dom que o Universo lhe deu para fazer parte deste mundo.

Trecho do livro O segundo horizonte, por Suzy Hekamiah (DE QUE PARTE ATÉ QUE PARTE VAI ESSE TRECHO?)


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O segredo: lenetstan / 123RF Imagens



Deixe seu comentário