Pessoas inspiradoras

Encontra um bebê abandonado em uma caixa e a amamenta para salvá-la

capa site Encontra um bebe abandonado em uma caixa e a amamenta para salva la
Comente!

Chamada de “a mãe mais linda”, as pessoas a admiraram quando ela simplesmente parou o que estava fazendo para alimentar uma criança desconhecida chorando na rua.

O afeto e o cuidado são as formas mais bonitas de atenção do ser humano que, mesmo sem conhecer o outro, tem sempre a chance e a possibilidade de ser gentil. A socialização faz com que nos tornemos mais amigáveis e dispostos a cuidar do outro sem pensar em nível de intimidade ou em grau de familiaridade.

Ter a possibilidade de fazer algo que possa tornar a vida do outro melhor, que ofereça a chance de melhorar a existência de alguém, é sempre uma oportunidade de se tornar mais humano. Mesmo que as atuais formas de relação estejam mais efêmeras e menos aplicadas, ainda assim devemos insistir em nos tornar pessoas melhores.

A situação é ainda mais delicada quando envolve bebês e crianças, tudo isso porque eles são os que menos conseguem se cuidar, quase incapazes de realizar sozinhos alguns cuidados básicos, como a própria higiene e alimentação. Dependendo inteiramente dos adultos, principalmente quando mais novas, elas necessitam de disponibilidade e atenção, além de bom senso e capacidade de inserção no tecido social, dependendo da idade.

Encontrar uma criança ou bebê abandonado na rua deve estar entre as piores sensações existentes, primeiro, porque nosso instinto faz com que tenhamos vontade de simplesmente proteger aquele pequeno ser indefeso, e segundo, porque a nossa necessidade de socialização e aprovação do outro torna a situação ainda mais triste, fazendo-nos pensar sobre os problemas estruturais que levam alguém a simplesmente abandonar dependentes.

Para uma chinesa, encontrar um bebê na rua fez com que seus instintos ficassem completamente aflorados, desejando proteger e livrá-lo de males maiores. A primeira coisa que passou pela sua cabeça, assim que viu o que estava acontecendo, foi alimentar aquela pequena criança, oferecendo-lhe o pouco que tinha naquele momento: o próprio leite.

O caso ficou muito conhecido em todo o país, e a mulher acabou dividindo opiniões tanto na mídia quanto na internet. Chamada de “a mãe mais linda do mundo” por uma parcela da população, a mulher, que na época tinha 26 anos, simplesmente se ofereceu para amamentar aquele bebê que tinha poucos dias de vida. Segundo o jornal People’s Daily Online, ele foi descoberto por um transeunte numa rua do vilarejo de Beiwei, em Xianyang, na província de Shaanxi, em maio daquele ano.

A mulher, chamada Wei, trabalhava em uma imobiliária da região, e viu uma pequena caixa de armazenamento fora do seu trabalho, às 8h. Imaginando que fosse apenas lixo, ela preferiu não investigar mais na ocasião, mas pouco tempo depois, os sons inconfundíveis de uma criança chorando a fizeram desconfiar de algo errado.

As pessoas que passavam pelo lugar na ocasião, perceberam que os choros vinham justamente daquela caixa. Assim que a abriram, depararam-se com um bebê enrolado em uma manta e ao lado cerca de R$70. Todos que viram a criança na ocasião relataram que ela parecia ilesa, sem nenhum tipo de ferimento ou questão de saúde grave.

Imediatamente, começaram a se incomodar com o fato de que o bebê provavelmente estava com fome, e como tinha poucos dias de vida, não podia receber nenhum alimento que não o leite. A jovem, que trabalhava na imobiliária, vendo toda a situação, ofereceu-se para ajudar, dando a única coisa que tinha, o leite materno.

O Departamento de Segurança Pública da cidade de Xianyang disse que a polícia chegou ao local para ver a criança deitada quieta nos braços da jovem mãe, com muitos transeuntes enfiando dinheiro nas mangas do bebê. De acordo com assistentes sociais da cidade, o bebê tem suspeita de paralisia cerebral e possivelmente outras condições que exigirão exames adicionais.

A história ganhou muita atenção e comentários, que saudaram a mulher como a “mãe mais linda”. Mas outros fizeram alertas sobre a questão da transmissão de doenças a partir do leite materno, dizendo que não deve se tornar um hábito incentivar mulheres a amamentar crianças que não são suas filhas.

Comente!

O que perdemos quando nosso pai morre

Artigo Anterior

Marcos Mion: “Precisamos respeitar o espaço dos nossos filhos e a perspectiva deles, em vez de projetar a nossa história neles”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.