Comportamento

Enfermeiros se unem e acalmam homem com fobia de agulhas, e conseguem imunizá-lo

Para lidar com o medo extremo de agulhas desse homem, a equipe deu um show de empatia e compreensão, mostrando que para tudo existe um jeito mais carinhoso de ser executado.



A fobia é o medo ou aversão a um objeto, ser vivo ou situação, e não existe uma explicação científica dos motivos de alguns indivíduos apresentarem essa perturbação da ansiedade. Pode se manifestar de maneiras muito agressivas, chegando a fazer com que as vítimas passem mal, tenham crises de pânico, taquicardia e até vomitem.

Existe fobia para milhões de situações e coisas muito específicas e, ultimamente, a que temos visto com bastante frequência é a “aicmofobia”, ou o medo de agulhas.

Para quem acha que é só uma frescura, saiba que as fobias podem ser tão prejudiciais em alguns casos, que chegam até a reduzir a qualidade de vida ou limitar a socialização das pessoas que sofrem, principalmente quando os medos envolvem lugares ou pessoas.


Em Campina Grande, na Paraíba, a equipe de enfermeiros e profissionais de saúde que estavam vacinando contra a covid-19, no dia 19, mostrou o tamanho do seu preparo e empatia. Um rapaz alto entrou no posto de vacinação, já mostrando desde o início pavor de agulhas e o tamanho do nervosismo naquele momento.

A Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande compartilhou um vídeo no perfil oficial do Instagram, mostrando a forma como os enfermeiros lidaram com aquela situação. Ele chegou amparado pela mãe e outros familiares, e informaram logo no início sua condição, deixando-os preparados para o que possivelmente estava por vir.

Assim que chega ao local, o homem é atendido por uma enfermeira, que o senta em uma cadeira e fala para ele abraçá-la, que não precisa se preocupar com nada. É emocionante como todos os profissionais se mobilizaram para oferecer um atendimento humanizado ao rapaz, mesmo que isso envolvesse mais pessoas e mais tempo.


A enfermeira diz que ele não precisa se preocupar com nada, porque nem sequer vai ver a vacinação. Duas outras atendentes se aproximam e o rapaz estende a mão, chamando sua mãe, que o acompanhava. Enquanto essas três profissionais dão todo o conforto e tranquilidade ao jovem, um quarto enfermeiro se aproxima e diz para ele relaxar, chamando-o de “amigão”.

Em alguns segundos, ele sobe a manga da camiseta do rapaz e aplica a dose de vacina tão rapidamente, que ninguém conseguiu acompanhar, nem mesmo o homem, que nem sequer reclamou de dor. Todos os presentes no posto aplaudiram a ação dessa equipe tão carinhosa e solidária, que compreendeu o sofrimento dele.

Pernambucana que sofreu violência doméstica e perdeu dois filhos vence depressão e abre restaurante!

Artigo Anterior

Casal deixa o Brasil para ajudar mais de 400 crianças desnutridas e analfabetas no Senegal

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.