ComportamentoColunistasVida

Entenda o que te sufoca todos os dias e você nem percebe…

SUFOCA

Quando nos vemos em situações de dor é muito comum colocarmos a culpa em outras pessoas. Mas o que nem todo mundo sabe – ou finge não saber – é que podemos ser os próprios causadores de nossas dores através de um processo chamado auto obsessão.



A auto obsessão ocorre quando nós mesmos causamos nossos sofrimentos. E, mesmo que muitas pessoas atribuam suas dores a outros – inclusive obsessores espirituais – nem sempre é isso que acontece de fato.

Sendo assim, separamos hoje alguns sinais de que você está se auto obsediando, ou seja, causando as situações que culminam em sofrimentos diversos .

Espero que, conhecendo-os, consiga identificá-los (se for seu caso) e refletir em como sair desse cárcere e se livrar desses comportamentos que nos encarceram a alma, tornando-nos verdadeiros prisioneiros espirituais.


1. Não perdoar o passado

A falta de perdão é uma das maiores prisões que impedem nosso crescimento espiritual. Nossas memórias armazenam tudo. Quando você menos espera se depara com uma etapa em que um espinho do passado de dor, abuso, depreciação e problemas de autoestima passam a oprimi-lo. E você não o deixar ir. Continua revivendo os atos horríveis de dor em cada parte do seu ser.

O perdão não é para a outra pessoa. É para você se mover além das barras de confinamento solitário. Abra o portão de sua cela de prisão, perdoando sua parte nessa história e deixando de lado tudo o que a outra pessoa fez para você.

SUFOCA


2. Não ser você mesmo

Pode não parecer, mas abrir mão de si mesmo, dos próprios sonhos, valores e vontades é acorrentar-se e ir para o corredor da morte. E trata-se de uma morte lenta, que aos poucos e durante anos vai tirando o sopro de vida das pessoas.

Infelizmente há muita gente sofrendo desse mal, com medo de viver a vida como deseja, acorrentados em padrões, modelos muitas vezes ultrapassados.



3. Não acreditar em coisa alguma

Todos somos livres para crer ou deixar de crer em Deus, nas pessoas e nas coisas. É um direito que nos é dado inclusive pelo próprio Deus. Mas, a falta de fé em algo traz um vazio inexplicável, inclusive para o incrédulo. Todos precisamo acreditar em alguma coisa. Em si, nos outros ou seja lá no que for.

Essa fé nos torna mais fortes, como disse Bruna Stamato no artigo “A fé é um salto no escuro. Pule!, “Fé em qualquer coisa, em qualquer crença; Fé na vida. Fé em si mesmo! Pois a FÉ é o nosso para -quedas! Sem ela, tudo se torna muito mais difícil e penoso. Se você tiver FÉ numa imagem de algum santo, com certeza não será o papel que modificará a sua vida, será a energia depositada nele, que fará com que a fenomenal roda gigante da vida gire.” O importante é se alimentar dessa força que nos torna livre, capazes, poderosos.



4. Estar em relações doentias

Maior prisão que estar em relações destrutivas não há. E não se trata apenas de uma prisão espiritual, mas emocional também. Isso acontece principalmente nos relacionamentos amorosos quando um dos parceiros se vê totalmente submisso, sem identidade e dignidade.


5. Vícios de todos os tipos


O álcool, o cigarro, a pornografia, o jogo e tantos outros vícios são correntes que imobilizam diversas pessoas há muito tempo. Quem se detém nessas prisões perde o gosto pela vida, não se reconhecem como donos de si e vivem em função de satisfazer o “prazer” ilusório que esses vícios causam. São situações lamentáveis que roubam a vitalidade, deixando homens e mulheres amargurados, sem esperança, em verdadeiras prisões.

Como foi citado no texto, nenhum obsessor espiritual é o causador dessas dores e sim nós mesmos que muitas vezes nos permitimos passar por elas. São comportamentos mais que comuns, embora doentios. E para se libertar  é necessário primeiro reconhecer-se em uma para então, conscientes, tomar as atitudes necessárias para libertar-se do que te sufoca.

Quando um não quer, dois não amam!

Artigo Anterior

Cuidado com o que diz a uma pessoa perversa. Tudo o que disser será usado contra você!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.