publicidade

Equipe do Butantan comemora com aplausos e alegria eficácia da vacina: “Vai nos ajudar a sobreviver!”

O Instituto brasileiro trabalha com a farmacêutica chinesa Sinovac no desenvolvimento da Coronavac, que se mostrou eficaz em casos leves e graves. Conheça os números!



Uma ótima notícia para o Brasil nesta pandemia de coronavírus foi veiculada na última quinta (7). O Instituto Butantan, que está trabalhando em conjunto com a farmacêutica chinesa Sinovac, anunciou que a vacina Coronavac alcançou eficácia de 78% (arredondado) para casos leves da doença.

O Instituto compartilhou um vídeo comentando sobre esses dados em seu perfil no Instagram, no momento em que seu diretor de ensaios clínicos, o cientista Ricardo Palácios, informa os resultados aos demais diretores.

Ricardo diz que, para casos leves e que precisam de ajuda médica ou medicação, a eficácia foi de 77,96%, com intervalo de confiança inferior a 49,15 e superior de 90,44. Já para os casos graves, de internação hospitalar, a vacina se mostrou 100% eficaz.

Os testes foram realizados com 12.476 profissionais de saúde. Metade deles tomou Coronvac e metade, o placebo. Do total, 218 voluntários contraíram covid-19, sendo menos de 60 do grupo vacinado; todos os contaminados se recuperaram sem necessidade de internação.


Assim que ouvem os resultados, os diretores aplaudem e gritam de alegria sobre os resultados dos seus esforços nos últimos meses. Sua reação é emocionante e contagiante, pois todos os brasileiros têm vivenciado juntos a situação grave do país nesta pandemia.

 

 


Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Instituto Butantan (@butantanoficial)

Ao final do vídeo, Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, disse que temos uma boa vacina, que nos ajudará a sobreviver, neste primeiro momento, e que agora o Instituto terá o desafio de fazer com que o imunizante chegue “ao braço dos brasileiros”.

Taxa de eficácia

A taxa de eficácia é usada em estudos e vacinas, e ajuda a entender o quanto o imunizante em questão reduz os casos da doença à qual é destinado, comparando-se o grupo vacinado com o não vacinado.

A taxa mínima recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de 50%, ou seja, metade das pessoas que tomam o imunizante devem se proteger contra a doença. No caso da vacina Coronavac, a taxa de eficácia foi acima da esperada, o que a torna eficaz contra o vírus.

Os dados completos da fase 3 de estudos da vacina, que contém informações sobre como o percentual é calculado, ainda não foram publicados, mas Dimas Covas disse, em entrevista coletiva, dia 7, que esses dados estarão na documentação técnica presente no pedido de uso  emergencial da vacina à Anvisa e nas publicações científicas posteriores.

A taxa de eficácia da Coronavac no Brasil é menor que a das vacinas das farmacêuticas Pfizer e Moderna, já aprovadas na União Europeia e nos Estados Unidos. Esses imunizantes, que usam a tecnologia de RNA mensageiro, tiveram eficácia de 95% e 94%, respectivamente, no entanto, esse já era um resultado esperado.

Natália Pasternak, microbiologista, disse ao G1 que essa menor eficácia era antecipada, porque a Coronavac é desenvolvida com o vírus inativado, enquanto as vacinas de RNA ou de adenovírus imitam uma infecção natural de forma mais efetiva nas células, o que causa uma resposta imune tanto de anticorpos quanto de resposta celular.

Ela acrescentou que a eficácia 78% da Coronavac é excelente e compatível com uma vacina de vírus inativo, e que será um ótimo imunizante para o país, com boa campanha.

O virologista Eduardo Flores, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), também ouvido pelo G1, disse que o resultado da Coronavac é muito bom e que ela será uma importante ferramenta na luta contra o coronavírus.

Vacinação

Segundo reportado pelo G1, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou, na última quarta, que a vacinação no país começará em janeiro e que já temos mais de 300 milhões de doses garantidas, sendo 100 milhões da Coronavac, negociadas com a Sinovac e o Butantan. ​

O ministro afirmou ainda que os municípios receberão a vacina simultaneamente, de forma igualitária e proporcional à população. E acrescentou que, no que depender do Ministério da Saúde e do presidente da República, a vacina será gratuita e não obrigatória.

O governo de São Paulo afirmou que solicitou à Anvisa, na última quinta, a aprovação do uso emergencial do imunizante no país, mas a agência afirmou que o Instituto apresentou informações sobre eficácia e segurança da vacina, mas que a submissão do pedido ainda não ocorreu.

Compartilhe a notícia em suas redes sociais!

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.